12/07/16

Sanções por unanimidade?

Ao que parece as sanções a Portugal vão ser aprovadas por unanimidade (isto é, o princípio geral das sanções - depois ainda se vai decidir a sanção concreta, que até pode ser uma multa de zero euros).

Portugal não vota, mas não era suposto haver outro governo na Europa empenhado em combater a austeridade e criar uma nova União Europeia? Sim, Grécia, estou a falar de ti. Já agora, como é que Portugal vai votar nas sanções a Espanha?

3 comentários:

jose guinote disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
jose guinote disse...

É neste modus operandi que se fundamenta o principio da imutabilidade da União Europeia, que tanto entusiasma uma parte da esquerda. Os partidos, que no seu país são vitimas das decisões do ortodoxia europeia, reproduzem, na generalidade das situações, as orientações politicas dessa ortodoxia.As suas orientações politicas tornaram-se irrelevantes. Como diz o Miguel se o Syriza, o PS português -e, acrescento eu - o PS francês, o PS italiano, o partido social-democrata sueco, e o (execrável) PS-holandês, votassem contra as sanções, abrir-se-ia uma brecha no domínio da ortodoxia neo-liberal. Se o partido social-democrata alemão do camarada Sigmar Gabriel batesse o pé à senhora Merkel, muito ajudaria. É nesta forma de conduzir a politica europeia e na aceitação do principio da abdicação que radica a famigerada imutabilidade da UE. Mas é mais fácil clamar contra a UE em abstracto, enquanto fonte de todos os males pretendendo ignorar os que em cada país se solidarizam com as orientações politicas dominantes, mesmo quando não parece.

joão viegas disse...

Ola,

O José Guinote não esta "apenas" carregadissimo de razão. Põe também o dedo na ferida decisiva : explicar como é possivel que a "esquerda" que se diz democrata esteja hoje perfeitamente incapaz de chegar a tão evidente conclusão vai ser quase impossivel daqui por duas ou três gerações. Tem algum sentido estarmos constantemente aos berros a reclamar mais democracia e mais soberania popular se somos na pratica completamente incapazes de as utilizar ?!?

Se o ridiculo matasse... estavamos salvos !

Abraços