11/07/17

Dialéctica policial

Recordo uma célebre formulação de Sophia, denunciando a injustiça e a opressão como "pecado organizado". Mas vejo, agora, ao ler no Expresso que  o "Presidente do Sindicato dos Profissionais de Polícia diz que para manter a ordem pública é sempre necessário cometer excessos", que as forças da ordem consideram o "pecado organizado" critério da virtude e superior correcção. Assim,  uma vez que "a actuação dos agentes da PSP de Alfragide (…) foi correcta", só resta acrescentar, explicitando um pouco mais a dialéctica policial do militante sindical António Ramos, que as sevícias e torturas praticadas nas esquadras são, justamente na medida em que organizam e tornam ordem o pecado, obras afinal de misericórdia e expressões afinal de amor ao próximo.

1 comentários:

joão viegas disse...

Ola Miguel,

Bom, na mesma ordem de ideias, "para proferir um discurso com nexo, é sempre necessario dizer disparates..."

Abraço