30/03/13

Uma resposta final e definitiva


Aí há uns dias decidi colocar um comentário num post de Tiago Mota Saraiva sobre o euro no 5 dias. O meu comentário, e que passo a transcrever de seguida, dirigia-se ao seguinte comentário do Nuno Cardoso da Silva.

Nuno Cardoso da Silva diz:
Concordo em grande parte com Louçã. Se entrar no euro foi mau, sair agora ainda seria pior. Mas isso não significa que não haja alternativas. A criação de uma união monetária apenas para os países da orla mediterrânica (incluindo a Itália) que têm problemas algo semelhantes e precisam de uma desvalorização da sua moeda que não seja nem excessiva nem contínua, podia ser uma solução. Aí sim aumentar-se-ia a competitividade sem cair num buraco sem fundo. Agora Portugal sair sozinho do euro e recriar uma moeda nacional sustentada por uma economia à beira do colapso, isso não.
·         http://1.gravatar.com/avatar/aeca95bac93858e3fb4c708b89f4cad6?s=40&d=identicon&r=GJoão Valente Aguiar diz:
Caro Nuno,
O que, até hoje, nenhum dos nacionalistas se dignou a responder é o seguinte: se a competitividade iria aumentar 30 ou 40%, de acordo com as matrizes de input-output que têm utilizado, e se, ao mesmo tempo, ocorrerá uma desvalorização de 30 a 50% da moeda, logo a importação de combustíveis, de matérias-primas, de medicamentos, de maquinaria, etc. aumentaria, pelo menos inicialmente, na mesma proporção. Logo, se os custos com importações dificilmente substituíveis como várias das matérias-primas, combustíveis, maquinaria, medicamentos, etc. iriam aumentar, e se, mesmo assim, os economistas nacionalistas ainda conseguem afirmar que Portugal ganharia competitividade então só vejo uma resposta possível. Para conseguirem tal competitividade isso só poderá ser feito à custa da maior exploração dos trabalhadores, da expansão da mais-valia absoluta e da correspondente edificação de um aparelho de Estado ainda mais repressor para conter as revoltas geradas… Aliás, um dos economistas nacionalistas chegou ontem a dizer no jornal i que seria necessária «uma liderança forte para que não houvesse turbulência»… Mais palavras para quê? Se a política que a esquerda nacionalista preconiza é assim tão benéfica para os trabalhadores para que precisariam de uma «liderança forte»?
E ainda se poderia abordar a hipótese muitíssimo provável de a banca poder falir ou sofrer elevadas perdas. A salvação da banca e dos depósitos nas condições de uma saída do euro faria o BPN parecer uma brincadeira de meninos…
Um abraço


Perante este meu comentário, o autor do post meteu a sua colherada e tratou-me de uma maneira certamente muito cordata e educada...

O zeloso camarada ouve a mensagem do Mestre Yoda-Cunhal:
"Que a Força da Pátria esteja contigo"


Tiago Mota Saraiva diz:
Oh João Valente Aguiar, vai chamar nacionalista ao raio que te parta.
Ainda há poucos anos desfazias-te em mensagens privadas sobre como um comunista devia “valorizar o legado” de Estaline ou a “experiência” da Coreia do Norte. Agora vejo que não perdeste os tiques estalinistas fazendo ataques de carácter enviesados. De facto és um tipo coerente.
Tenho a certeza que, se/quando a coisa azedar, serás dos primeiros a denunciar os teus ex-camaradas.


JVA encurralado pela luminosa argumentação de TMS. Medo!

Perante esta resposta eivada de substância política, respondi ao TMS:


Tiago,
eu até podia ter ido às campas do Stáline e do Kim Il-Sung lá rezar e deixar umas flores. Até podia ter tatuado o Lénine e o Álvaro Cunhal na testa… Como dizes, e bem, “há poucos anos”… Ora, 99% dos militantes de toda a esquerda de origem marxista, seja ela qual for, alguma vez na vida, e ao longo da história, glorificaram a URSS e os regimes socialistas… Claro que glorificamos! Todos, quase sem excepção… E daí? qual a novidade? Pior de tudo é quem depois acaba por nunca se interrogar sobre nada. Isso sim é que é grave… Mas isso parece pouco importar…
O espantoso é como tu desvias um comentário meu vocacionado para um problema económico que os nacionalistas de esquerda não respondem. Repara que tu se percebesses alguma coisa de economia ou de política até me podias ter arrumado para canto se soubesses responder ao que eu coloquei no fundamental do meu comentário: como é possível aumentar a competitividade da economia portuguesa saindo do euro, sabendo que os custos com importações de combustíveis, matérias-primas, etc. vão necessariamente aumentar? Repara que teoricamente vocês todos até poderiam ter razão. Não me parece, mas eu discuto estas coisas de um modo analítico. Bem ou mal, com mais ou menos acertos, o que importa é a atitude. Ora, tu preferiste ligar ao “nacionalista”, mas se quiseres podes chamar de patriota que é exactamente a mesma coisa. O que conta são os conceitos e não os termos… Mas se não os dominas não sou eu que te vou explicar…
O teu comentário acaba com a macacada final sobre denúncias e não sei que mais…. Eu nem tenho nada de responder e provavelmente nem vai adiantar de nada. Mas face à recorrência desse ataque vil aqui vai uma resposta final. Eu que nem sequer te conheci pessoalmente (pelos vistos, felizmente), que sei de ti o mesmo que qualquer tipo que te leia na net, que não tenho ninguém do PC nas redes sociais onde participo (precisamente para evitar essas bocas delirantes, mas, pelos vistos, nem assim diminui a paranóia da vossa parte), eu que nunca estive em nenhum organismo de direcção do PCP (nem sequer regional, apenas de… freguesia e que éramos literalmente meia dúzia) e eu é que ia denunciar??? Quem?? O quê?? Que há membros assumidos do PC que escrevem no 5 dias??? Que colei não sei quantos milhares de cartazes? Que distribuí panfletos?? Que fui um dedicado militante de base, que nunca arranjei chatices com ninguém enquanto fui militante activo e que a única coisa que me destacava dos outros era o meu interesse pela teoria marxista?? Eu que não tenho contacto orgânico com ninguém do PCP desde meados de 2008 (reuniões, pagar quotas, etc.) e que só estive entre 2008 e 2011 em duas ou três iniciativas públicas da CDU e do PCP, eu é que ia denunciar?? Mas está tudo maluco ou o quê?? E eu é que sou stalinista…
De facto, só um eventual delírio ou má fé podem explicar essa tua atitude. Se queres brincar ao Marinetti procura outro que te ature… Passar bem.


Entretanto, chegamos à Sexta-Feira Santa e o TMS decide crucificar-me no altar da sabedoria imortal do marxismo-leninismo. Para isso, TMS vai repescar o mesmo argumento político cheio de densidade política e teórica: a pessoalização da crítica política.

Isto de pescar água é difícil...


Tiago Mota Saraiva diz:
João Valente Aguiar, eu não cheguei hoje a um ideal político nem parto amanhã. Tal como nunca me apeteceu muito discutir contigo quando eras um ultra-estalinista pró-PCP também não discutirei contigo quando te transformaste num ultra-estalinista anti-PCP – o facto, com o qual o Vítor Dias goza, de teres ido apagar o teu blogue (http://otempodascerejas2.blogspot.pt/2013/03/um-tal-de-joao-valente-deaguiar.ht) é tão revelador …
Agora não tentes transformar isto num ódio a ex-PCP’s que não tenho. Tu, na tua 1ª fase de estalinismo, és um excelente exemplo daquilo que costumo chamar como a doença infantil dos partidos de esquerda. É uma certa forma de valorizar e engraçar com uma trupe de jovens caceteiros ultra-sectários que assim que acham que o seu brilhantismo não é integralmente reconhecido partem para ser os primeiros Anti. E isto interessa-me discutir, mas não contigo!
Não queres, certamente, que vá à procura de escritos teus da tua 1ª fase de estalinismo com ataques de carácter a malta que é, e será, minha amiga e que está, e estará do meu lado da trincheira, como o Zé Neves, o Zé Guilherme ou o Ricardo Noronha… Só para te dar alguns exemplos…
João Valente Aguiar, hoje como ontem, não tenho qualquer interesse em debater contigo o que quer que seja. E nada tem a ver com o facto de achar que te afastas-te do teu ideário – que se calhar até não te afastaste assim tanto – mas tem sobretudo a ver com o facto de achar que a forma como te vês é inversamente proporcional ao respeito a que te prestas.


João Vader Aguiar,
o Mal Absoluto da Galáxia Federal
Estes comentários do Tiago Saraiva merecem uma resposta FINAL. A única "argumentação" que o Tiago Saraiva dá a algumas das minhas críticas parte sempre do pressuposto de que eu fui sectário e estalinista enquanto militante do PCP, como se o facto de ter sido exactamente igual a 90% dos militantes do PCP só fosse um defeito por eu ter deixado de o ser... Sectários e estalinistas são os que permanecem assim uma vida inteira e nunca mudam em nada...

Se o nacionalismo é criticado é preciso cuidado,
não vá acontecer a chatice de surgir um seu contrário...

Sobre os nomes que o TMS cita. Porque raio eles são para aqui chamados? Quando TMS não tem argumentos políticos para utilizar, chama nomes à colação a ver se os amigos dele (que também são meus) vêm lavar as lágrimas do menino? Sente-se assim tão perdido que só com a citação de outros se consegue tentar valer politicamente? Para quem me acusa de ser sectário, utilizar o nome de outras pessoas que nada têm a ver com o assunto, esse sim é um belo tique sectário. Em termos políticos e teóricos, o que me interessa, como sempre foi o que mais me interessou, são sempre as tendências mais vastas e não as pessoas. Se calhar foi essa consciência mais racional e analítica que felizmente me permitiu ir questionando e, no final, romper totalmente com o PCP e com o leninismo. Aliás, a única pessoa abaixo dos 40 anos de idade que no Portugal das últimas décadas escreveu dezenas de páginas sobre a exploração económica, sobre as funções do trabalho e do capital e sobre a autonomia da classe trabalhadora e dos seus limites mínimos e máximos, teria de chegar a uma altura da sua vida e resolver a tensão existente entre os temas que eu sempre estudei por minha iniciativa e a imagem do marxismo que o PCP enuncia de uma luta entre nações. Uma pequena diferença aos olhos dos incautos, mas que é abissal, e tem repercussões totalmente díspares.

O que é parecido nem sempre se torna igual.


O TMS fala em busca de reconhecimento da minha parte. Mas o reconhecimento quem mo está a dar são pessoas do PCP…


Quem ataca o leninismo leva tau tau

Quem é que em vez de ter respondido a um comentário absolutamente normal sobre questões económicas de uma saída do euro, se passou da cabeça e transformou um assunto económico (o meu primeiro comentário) num ataque à minha pessoa? Quem é que em Julho do ano passado teve um artigo no Avante totalmente dedicado a concepções que defendo e onde a crítica mais profunda que me fizeram era a de contraporem os seus 40 anos de militância com o meu anti-nacionalismo? Onde é que eu procuro reconhecimento quando tive funcionários do PC a insultarem-me ainda estava no 5 dias (assinados pelos próprios), candidatos autárquicos da CDU, gente do PCP a assinar com pseudónimos de assassinos (como Ramon Mercader), etc. Eu é que quero reconhecimento ou o PCP é que tem militantes que se pudessem davam largas aos piores instintos humanos sobre quem simplesmente escreve o que eles não gostam? O espantoso nisto tudo é que um indivíduo como eu que aparentemente está tão errado, e que só escreveria merda e afinal desde há uns tempos para cá já teve dezenas de pessoas “à perna”… Onde há fumo, há fogo… Se eu estou assim tão errado e tenho toda esta atenção e carinho, o que fará se eu estivesse certo…

Meu Deus! E se o gajo tem razão?

Por outro lado, é ridícula essa tentativa do TMS se colar à esquerda internacionalista e autonomista. Como se no caso de um regime em que o PC estivesse no poder gajos como eu, o Noronha e outros fossemos poupados… Mesma barricada? De quem? Dos que em todas as circunstâncias históricas atacaram as iniciativas autónomas dos trabalhadores: da CGT contra a unidade dos estudantes com os trabalhadores na Renault Bilancourt, do PCI contra os militantes autonomistas e os operários de fábricas ocupadas, do COPCON chamado pelo PC para ir lembrar aos trabalhadores da TAP que há greves boas e greves más, das greves organizadas em conjunto pelo PC alemão com o partido nazi em 32, do Comintern que entregou comunistas da Pérsia, da Turquia, da Grécia ou da China aos carrascos, só para manter boas relações geoestratégicas e diplomáticas, dessa grande experiência socialista que foi a URSS e que, no final, se tornou no maior ninho mundial do neo-nazismo, etc. Um caso, dois casos, três casos, qualquer um engole e engana-se a si mesmo. Mas quando uma pessoa ganha noção de tantos e tantos casos, em tempos diferentes e com tanta frequência, como pode ficar incólume perante tudo isto? Como pode resistir a fé e a teoria dos “erros e dos desvios” perante toda a merda que foi feita em 100 anos? O TMS acha mesmo que está na nossa barricada?

A realidade que alguém vê numa imagem é a realidade que habita?

A sua única justificativa perante os meus argumentos é que eu sou um estalinista. Ora, ele é membro e apoia incondicionalmente um partido político que nunca fez uma análise séria do que se passou na URSS e em todos os capitalismos de Estado “socialistas” e o estalinista sou eu? Como é fácil despachar a discussão política rotulando os outros sem que isso tenha correspondência com o ideal e com as práticas dessa pessoa. Mas o estalinista sou eu e não um partido que andou décadas a fio a tecer loas a toda aquela bodega, tendo tido gente sua a viver anos e anos por lá, nunca fez uma análise do carácter capitalista daquele regime, que nunca criticou a entrega da economia e do Estado a gestores instalados nas empresas. Gestores esses que, para o PCP, só se tornaram “maus” quando perceberam que afinal já não precisavam para nada da capa “socialista” para controlar as empresas anteriormente estatais. Até lá eram grandes dirigentes do povo soviético e não sei que mais. O TMS quer enganar quem com essa conversa do estalinista? Mas alguém que seja racional compara um indivíduo como eu, que rompe com toda essa tralha, com um partido que, pelo contrário, se fosse poder fora do actual regime político português, iria reproduzir grande parte daquelas mesmas práticas? Alguém que seja racional compara um tipo como eu que entretanto deixou de seguir a fé na luz leninista (e que a seguiu apenas uns pares de anos), com um partido que mantém a perspectiva de criar mais um capitalismo de Estado repressor e economicamente arcaico? Eu é quero reconhecimento? Eu é que sou estalinista? TMS é tão incongruente sobre a minha pessoa, que se eu fosse esse vaidoso que ele traça sobre a minha pessoa então, se eu seguisse essa lógica, ou eu teria ficado no PC para arranjar qualquer lugar, ou tinha ido para outro partido qualquer com lugares de poder. Mas aqui estou eu, cientista precário, com muito orgulho a escrever nessa organização multimilionária de nome Vias de Facto… Que vaidoso que sou. Que ambicioso… Que estalinista… Ou serão estalinistas os que sabem todas ou algumas das coisas que enunciei e continuam a compactuar como se nada se passasse.

 - Senhor doutor, os meus olhinhos não me deixam ver a História. Que se passa?
- Nada de especial menina. Utilize as lentes do Comité Central.

Para terminar, abordo brevemente um assunto que tem sido dado a deturpações. Há aí uns meninos que dizem que eu teria escrito que o PCP é fascista. Totalmente falso nem eu nunca escrevi isso. Nem eu considero, de maneira nenhuma, que o PC seja fascista. O que eu escrevi sempre, e por diversas vezes, é que a saída do euro pode degenerar numa solução estatista de controlo da vida social e que, face à evolução da situação económica e social, até poderia engolir o próprio PC (e toda a restante esquerda). É esse escancarar de portas defendido cada vez mais abertamente pelo PCP, que pode induzir um risco de fascização da sociedade portuguesa. Sendo o PCP a única organização estruturada, disciplinada, etc. e que defende uma solução nacionalista/patriótica, isolacionista e de regresso a uma europa de nações divididas, o PC é a força política que, em Portugal, pode abrir a caixa de Pandora. Duvido que se a situação fosse nesse sentido de confronto político e de ódios nacionais exacerbados, o PCP tivesse capacidade para se aguentar. Pelo contrário, seria qualquer sector militar ou de extrema-direita a depois captar a situação de edificação de uma forma capitalista de Estado a seu favor. Naturalmente com a esquerda (nacionalista ou não) como vítima.

Sempre que nacionalismos tentaram concorrer entre si, o nacionalismo de direita venceu sempre, como o caso indonésio, birmanês, iraquiano, sírio, francês do pós-guerra até aos anos 90, etc. demonstraram. E quando o nacionalismo ligado a uma pretensa variante marxista inicialmente venceu, como em situações de libertação nacional, o que subsistiu ao longo do tempo foi sempre o lado nacionalista e não o marxista... O fascismo vive da sua capacidade de parasitar os erros e ambiguidades da esquerda relativamente à nação, ao capital financeiro e às classes. Isto sim é que é realmente importante discutir, mas poucos são os que se preocupam com isso.

Dentro de cada estrutura ideológica,
as possibilidades de replicar imagens e véus mistificadores é infinita.
Agarrar-se a cada imagem ou ver a estrutura global:
a diferença entre 
a crença para-religiosa e o uso da reflexividade crítica.

23 comentários:

Anónimo disse...

Você bem pode chamar aos comunistas de nacionalistas na esperança de que você possa ser reconhecido como internacionalista. De minha parte, contudo, como comunista, não reconheço nas suas teses mais do que a via para o fascismo decorrente da imposição das superestruturas burocráticas da UE - incapazes de contrariar a Alemanha (você não se engane nisto, nenhum governo europeu governará contra a Alemanha o que obriga a que os demais, nomeadamente nós em Portugal, façam seus os interesses da Alemanha).

O o federalismo, ou seja, o fascismo abstracto e centralista europeu, é o melhor caminho para alimentar os ódios nacionalistas.

João.

Miguel Serras Pereira disse...

Caríssimo,
quando tomei conhecimento destes comentários do TMS, o meu primeiro impulso foi ir lá à caixa do post do 5dias pôr alguns pontos nos is. Felizmente, pensei melhor e acho que há acusações e métodos políticos aos quais não se responde: assinalam-se e combatem-se, porque são acusações e métodos de luta política dos quais só podem resultar efeitos contrários a tudo o que se pareça com uma sociedade de iguais, livre e responsavelmente organizados.
Por fim, uma nota pessoal: embora já me chocasse de longa data o silêncio complacente que o TMS mantinha sobre métodos políticos semelhantes aos que agora usa, praticados nalguns posts e muitos comentários do 5dias (insultos, difamações, censura e propaganda da censura, etc.), a verdade é que não esperava vê-lo usá-los desta maneira.

Abraço solidário para ti

miguel(sp)

João Valente Aguiar disse...

João,

o fascismo é outra coisa completamente distinta do que pensa. Veja o seguinte artigo muito instrutivo: http://passapalavra.info/?p=63916

Coloco aqui apenas um parágrafo: «O fascismo não foi uma corrente política e ideológica com as margens bem demarcadas, como sucede com o conservadorismo, o liberalismo ou o marxismo, mas caracterizou-se por operar cruzamentos entre opostos. Se reduzirmos a política a uma linha, o fascismo situou-se na direita da direita, mas isto ajuda mais a confundir do que a esclarecer, porque o fascismo transportou alguns dos principais temas da esquerda para o interior da direita e transportou os principais temas da direita para o interior da esquerda. Foi esta operação que lhe conferiu a sua grande novidade e ao mesmo tempo o seu enorme perigo».

Enquanto não se perceber as características continuará a misturar-se repressão com fascismo e exploração económica com fascismo... Claro que o fascismo tem ambas e num grau muito elevado, mas é a forma como as combina que o diferencia doutros regimes. Se o fascismo fosse apenas exploração e repressão na formulação generalista que você apresenta, então todos os capitalismos seriam fascistas...

João Valente Aguiar disse...

Miguel,

o espantoso é o grau de ressentimento que o TMS tem em relação a mim quando o meu primeiro comentário até era para o caríssimo Nuno Cardoso da Silva. E que era totalmente direccionado para uma questão económica específica... Se ele diz que não quer discutir comigo tinha duas opções: ou não aprovava o meu primeiro comentário ou então não metia a colherada naquele tom insultuoso e cheio de bilis e que nada tinha a ver com o meu comentário. Curiosamente, depois ele projecta essa postura em mim, dizendo que eu é que sou assim... Enfim, nem vou perder mais tempo com isto.

O mais engraçado (ou incompreensível, sei lá) é como um tipo tão horrível como eu e que só diria coisas sem importância acaba por ter uma audiência de pessoas do PCP que é absolutamente inusitada... Se estou/estamos tão errados assim, para quê tanta importância ao que escrevo/escrevemos? Nalguma coisa estamos a acertar.

Um abraço!

Anónimo disse...

A meu ver, o fascismo é a apropriação directa do poder político pelo grande capital, enfim é parecido com a Aristocracia mas é, digamos, uma aristocracia burguesa que não é fundada no carácter mas na posse de capital.

É por isso que o federalismo, para mim, tende para o fascismo. Acredito que vai ser o grande capital a controlar o desenho das políticas comuns - e no grande capital não encaixa nada de Português, o nosso capital não tem dimensão para ter influência.

João.

miguel disse...

"O que, até hoje, nenhum dos nacionalistas se dignou a responder é o seguinte: se a competitividade iria aumentar 30 ou 40%, de acordo com as matrizes de input-output que têm utilizado, e se, ao mesmo tempo, ocorrerá uma desvalorização de 30 a 50% da moeda, logo a importação de combustíveis, de matérias-primas, de medicamentos, de maquinaria, etc. aumentaria, pelo menos inicialmente, na mesma proporção."

JVA, já respondi a isto noutra discussão, mas acho que vale a pena voltar: quando falamos em desvalorização da moeda falamos numa desvalorização dos novos salários nacionais, pagos numa nova moeda, relativamente ao exterior. Logo não são os produtos importados que aumentam de preço, é a nossa capacidade de os comprar que baixa. Com isto, a competitividade aumenta - se definida como a razão entre a quantidade que é produzida e o seu custo (o custo diminui, à custa da diminuição de salários). Este caminho, apesar da diminuição do poder de compra que acarreta, teria a vantagem de favorecer o consumo e a procura interna (além do governo ganhar uma soberania monetaria que poderia usar para combater o desemprego). Penso que todos os economistas que designas como "nacionalistas" percebem este óbvio: as vantagens de uma saida do euro são à custa de uma desvalorização salarial (no entanto defendem que as vantagens superam essa desvantagem).

Anónimo disse...

"O mais engraçado (ou incompreensível, sei lá) é como um tipo tão horrível como eu e que só diria coisas sem importância acaba por ter uma audiência de pessoas do PCP que é absolutamente inusitada... Se estou/estamos tão errados assim, para quê tanta importância ao que escrevo/escrevemos? Nalguma coisa estamos a acertar."

- se é assim mais vale você voltar ao PCP uma vez que praticamente não escreve senão sobre o PCP, ou não escreve sem mancionar invariavelmente o PCP e os comunistas.

Vá lá homem. Como diz Zizek:

"Do not be afraid, join us, come back! You've had your anti-communist fun, and you are pardoned for it – time to get serious again!"

João.

João Valente Aguiar disse...

João

por acaso o que me interessa realmente é o nacionalismo, o euro, a crise e as classes. O PC é apenas a faceta portuguesa do nacionalismo à esquerda (apesar de não ser o único, verdade seja dita). O PCP é apenas um aspecto num puzzle muito mais vasto e que o ultrapassa.

Miguel Madeira disse...

«Penso que todos os economistas que designas como "nacionalistas" percebem este óbvio: as vantagens de uma saida do euro são à custa de uma desvalorização salarial»

Mas isso não torna a diferença entre esses economistas e, digamos, o António Borges, mais "técnica" ("qual o melhor processo para baixar os salários?") do que outra coisa qualquer?

Anónimo disse...

JVA, tudo ultrapassa tudo, mas o que não varia nos seus posts são os ataques ao PCP.

João.

Miguel Serras Pereira disse...

Ao comentador João,

eu não me oponho menos à política que governa a actual UE do que você ou qualquer outro. O que se passa é que penso que a ruptura com o euro e a aposta na implosão da UE não é a única nem a melhor maneira de combater essa política. Os cidadãos comuns dos diveros países da UE e da ZE têm adversários comuns e interesses comuns, e devem antes fazer causa comum, impondo, através de uma acção política e reivindicativba democraticamente articulada e organizada, mudanças de funcionamento, ao mesmo tempo mais federais e mais democráticas. Fazendo causa comum serão mais fortes contra os inimigos comuns, e defenderão melhor as suas reivindicações "anti-austeritárias" imediatas. Tanto mais que, como escreve o meu camarada de blogue Miguel Madeira, "uma eventual saída do euro não é uma alternativa à austeridade; é uma diferente maneira de fazer austeridade (aliás, nos países com moeda própria a desvalorização faz parte da receita padrão das intervenções do FMI - veja-se a nossa austeridade de 83-85)." (cf. http://viasfacto.blogspot.pt/2013/03/ainda-sobre-saida-do-euro.html).

Saudações democráticas

msp

Anónimo disse...

Miguel,

só acho curioso que para vocês a noção de identidade nacional seja um artifício sem fundamento e no entanto apostam na identidade europeia, ou seja, se eu me identificar como português antes de europeu estou a apostar numa mistificação mas se me identificar como europeu já estou ligado a um fundamento realmente vivo.

Você quer que eu me identifique com os outros europeus mas parece que não me devo identificar com os portugueses.

João.

João Valente Aguiar disse...

João,

Por acaso esta polémica começou totalmente orientada para a discussão de uma questão económica. Quem a direccionou para o PCP foi o seu camarada TMS... São coisas diferentes. Compare os comentários totalmente divergentes no tom e na substância do comentador Miguel das 15:13 com os do TMS.

Anónimo disse...

E ainda Miguel essa aposta na implosão do euro não sei de onde a retira. Portugal não tem poder nem capacidade para preservar o euro ou para implodir com ele. Esse tipo de decisões são à nossa revelia.

João.

Anónimo disse...

JVA,

Eu leio os seus posts aqui e ali, portanto não sei com que base é que você quer agora tentar sugerir que as suas referências ao PCP são irrelevantes para a substância do seu discurso. É que não são. Agora, você diz o que quiser sobre o PCP e os comunistas mas parece-me estranho que fique indignado se os comunistas o criticarem.

João.

Miguel Serras Pereira disse...

Ao comentador João,
claro que faz parte da minha identidade ser português, falar e escrever português como primeira língua, bem como a reivindicação do direito a esses e outros traços do mesmo género. O que me recuso a assumir é que isso deva significar ou justificar uma aposta política na soberania do Estado-nação Portugal, etc., etc. Politicamente, a "soberania" (para lhe chamar assim) que me interessa é a exercida pela participação governante de todos os cidadãos, entre os quais me incluo, nas decisões colectivas e na definição da(s) lei(s) da cidade, uma cidade emancipada da divisão em classes e das suas instituições hierárquicas. Este meu "interesse" não é, evidentemente, só meu, nem releva das minhas características particulares, pessoais ou "pátrias", embora não as exclua, antes as confirme através dos meus direitos e liberdades de cidadão potencialmente governante, entre iguais (o que não significa idênticos, e remete para a igualdade politicamente instituída como comum aos diferentes indivíduos).

Quanto à questão do euro e da implosão da UE, aqueles que apostam coerentemente na saída da zona euro, apostam também, explicitamente, na implosão da UE e no reforço das fronteiras soberanas. Os que sonham com uma saída ordeira e vantajosamente negociada da moeda única - por muita razão que possam ter no que se refere ao modo como foi decidida e processada a entrada -, sonham acordados. Entre outras coisas porque contam com a boa vontade perante um acto de hostilidade…

msp

Dédé disse...

Uma Europa tão unida e solidária a expropriar quem trabalha e agora aparecem por aí uns desmancha prazeres a defender o "regresso a uma Europa de nações divididas".

Não se faz!

Miguel Serras Pereira disse...

Caro Dédé,
desta vez, tenho de lhe responder recuperando quase integralmente os termos da resposta que dei sobre o assunto a um comentador menos perspicaz.


Com efeito, eu não me oponho menos à política que governa a actual UE do que você ou qualquer outro que queira citar-me. O que se passa é que penso que a ruptura com o euro e a aposta na implosão da UE não é a única nem a melhor maneira de combater essa política. Os cidadãos comuns dos diveros países da UE e da ZE têm adversários comuns e interesses comuns, e devem antes fazer causa comum, impondo, através de uma acção política e reivindicativba democraticamente articulada e organizada, mudanças de funcionamento, ao mesmo tempo mais federais e mais democráticas. Fazendo causa comum, serão mais fortes contra os inimigos comuns, e defenderão melhor as suas reivindicações “anti-austeritárias” imediatas - ao mesmo tempo que abrirão caminhos no sentido da expropriação dos expropriadoresTanto mais que, como escreve o meu camarada de blogue Miguel Madeira, “uma eventual saída do euro não é uma alternativa à austeridade; é uma diferente maneira de fazer austeridade (aliás, nos países com moeda própria a desvalorização faz parte da receita padrão das intervenções do FMI – veja-se a nossa austeridade de 83-85)” (cf. http://viasfacto.blogspot.pt/2013/03/ainda-sobre-saida-do-euro.html). Assim, se “europeísmo” aqui há, confunde-se com o que considero a opção por um anti-austeritarismo realista e consequente, que procura dar-se os meios efectivos dos objectivos que declara. Mas dizia Você…?

msp

João Valente Aguiar disse...

Para o Dede a Europa pré-1939 devia ser preferível... É disto que se trata.

Entretanto o comentador João disse aí acima que o PCP não queria a implosão da zona euro. Então leia-se o que Agostinho Lopes disse sobre o assunto no último congresso do PCP com a tese da luta pela desagregação do espaço económico e político europeu:
«Uma política que em convergência com outros países vítimas da especulação e ingerência, luta pela dissolução da União Económica e Monetária»: http://pcp.pt/situa%C3%A7%C3%A3o-econ%C3%B3mica-avan%C3%A7o-do-dom%C3%ADnio-monopolista-na-economia

Como em 1929, certamente que se a zona euro implodisse quem iria pagar a conta não seriam os capitalistas mas os trabalhadores que os nacionalistas dizem defender...

Dédé disse...

"Como em 1929, certamente que se a zona euro implodisse quem iria pagar a conta não seriam os capitalistas mas os trabalhadores que os nacionalistas dizem defender..."

Esta Europa já implodiu faz tempo. Ao contrario do que pode parecer a alguns já não está viva, está apenas à espera que as merkels e schlaubs decidam qual o melhor momento de desligar a máquina.

Anónimo disse...

JVA, o que eu disse e digo é que Portugal por si só não tem nenhuma capacidade de interferir na continuidade ou não da existência do euro.

O PCP já afirmou por várias vezes que a questão da permanência ou não no euro não é a prioritária - embora não se iniba de fazer as suas considerações sobre o tema. A citação chave no discurso que citou não é a que colocou mas, a meu ver, esta:

"Um governo patriótico e de esquerda, deve preparar o país para qualquer reconfiguração da Zona Euro – nomeadamente a saída da UEM/euro por decisão própria ou da crise da UE – salvaguardando os interesses de Portugal."

Isto a mim parece-me não só do mais básico que qualquer política responsável deve assumir como ainda urgente que se faça.

Portugal não manda nada no euro, não tem poder nenhum, portanto toda a preparação para as suas contingências não é muita.

João.

Anónimo disse...

MSP diz:

"(...)claro que faz parte da minha identidade ser português, falar e escrever português como primeira língua, bem como a reivindicação do direito a esses e outros traços do mesmo género. O que me recuso a assumir é que isso deva significar ou justificar uma aposta política na soberania do Estado-nação Portugal, etc., etc."

- Fosga-se Miguel. Desculpe lá. É cagativo que você não aposte em políticas de soberania nacional; o que interessa é se os demais com os quais você quer construir uma federação, os demais cidadãos dos outros países, também pensam assim ou se, ao invés, vão preferir atropelar logo quem pensa como você.

Não sei qual é a dificuldade em perceber o perigo que a sua posição transporta. É mais do que evidente.

João.

miguel disse...

(resposta a Miguel Madeira)

"Mas isso não torna a diferença entre esses economistas e, digamos, o António Borges, mais "técnica" ("qual o melhor processo para baixar os salários?") do que outra coisa qualquer?"

o objectivo de aumento de competitividade através da quebra de salários é o mesmo - mas chegar lá através da desvalorização cambial é muito mais rápido do que através da desvalorização interna via austeridade. além disso, ganhar soberania monetária é ganhar a possibilidade do governo implementar politicas direccionadas ao emprego que possam reverter o decrescimento economico em curso.