29/09/15

Revisitando as eleições britânicas - o eleitorado achou os Trabalhistas demasiado à esquerda?

A respeito da eleição de James Corbyn, em muitas noticias e artigos de opinião têm sido escrito algo como "já nas últimas eleições os eleitores acharam os Trabalhistas demasiado à esquerda" (p.ex., este artigo do André Azevedo Alves).

Vamos lá ver como os resultados evoluíram de 2010 para 2015:

2015
%
Variação
Conservadores 36,9 +0,8
Trabalhistas 30,4 +1,5
UKIP 12,6 +9,5
Liberais Democratas 7,9 -15,1
SNP 4,7 +3,1
Verdes 3,8 +2,8
Outros 3,4 -2,6

Em em termos de deputados, os Trabalhistas conquistaram 2 lugares (ganharam 10 e perderam 8) aos Conservadores e 12 aos Liberais Democratas, e perderam 40 para o Partido Nacional Escocês.

Olhando para estes resultados, não se percebe de onde terá vindo a suposta percepção que os Trabalhistas estariam demasiado à esquerda: em termos de votos, tanto eles como os partidos que se posicionaram à sua esquerda (como os Verdes e os Nacionalistas Escoceses) subiram, enquanto os Liberais Democratas (de centro/centro-direita) desceram; em termos de deputados, os Trabalhistas conquistaram lugares que antes estavam em poder da direita (Conservadores e Liberais Democratas) e perderam lugares para a esquerda (o SNP). Ou seja, tudo indica que os Trabalhistas terão ganho votos aos Liberais Democratas e perdido para o SNP; por outra palavras, perderam votos à esquerda e conquistaram-nos ao centro, o que é pouco compatível com a ideia que teriam uma imagem demasiado "esquerdista".

Pode-se argumentar que o SNP não é bem "esquerda", é simplesmente um partido nacionalista escocês (há quem lhes chame "tartan tories", e no Parlamento Europeu já estiveram sentados com os gaullistas franceses), mas nos últimos tempos têm-se apresentando como estando à esquerda dos Trabalhistas (nomeadamente sendo mais anti-austeridade), e acho que isso é que é relevante para analisar as percepções dos votantes.

1 comentários:

jose guinote disse...

Miguel, a maioria dos comentadores que defendem essa tese sáo politicamente comprometidos com as posições da direita, como muito bem sabes. O colunista que tu citas é um bom exemplo. De certo modo agradar-lhes-ia que o Labour se aproximasse tanto, tanto, das ideias dos Tories, até chegar ao ponto em que todos eles iriam calmamente votar no ... Labour, sem nenhum transtorno. Claro que no fim preferiam sempre votar nos originais em vez de escolherem a cópia. O Labour tornou-se uma cópia baça dos Tories. Julgo que o que tem feito a decadência do Labour e até a sua irrelevância política é exactamente a sua acentuada viragem à direita. Nalgumas áreas as políticas sociais foram até mais penosas dos que as defendidas pelos Tories. Corbyn, representa uma ameaça, para esse "equilíbrio". Ameaçá-lo com a inelegibilidade por força das suas posições mais à esquerda é um primeiro passo para municiar aqueles que no interior do Labour discutem já qual a melhor altura para provocar a sua demissão. Espero que Corbyn resista e lhes faça frente.