10/01/13

Um pequeno apontamento sobre o relatório do FMI

Muito se tem comentado sobre o relatório do FMI[pdf]; confesso que não o li, apenas dei uma olhada numas páginas. No entanto, do pouco que li, há algo que me merece uma crítica:
Another key concern is the extensive use of overtime, particularly in the health sector. The relatively high salaries in the health sector reflect overtime compensation (for work beyond the 35 hour public sector work week). In 2011, Portugal had the lowest average regular working hours per year among OECD countries (Figure 3.6), and government employees were paid 60 million hours of overtime. During the last decade, the health sector alone accounted for 35–45 percent of total annual overtime, and overtime pay represents over 1/3 of the total salary of doctors and explains the relative high levels of compensation (Figure 3.7).22 To address these issues, the Ministry of Health has proposed to increase the work week to 40 hours (equal to the private sector) and change work arrangements at hospitals. While this change is limited in scope, and only applies to part of the public sector, it sends a clear signal for improving equity vis-à-vis the private sector.
                 (página 23)

O horário típico dos médicos do SNS é de 42 horas, não de 35 (alguns têm horário de 35, mas creio que são uma pequena minoria), logo não me parece que o problema das horas extraordinárias na saúde (que é, ao que sei, é essencialmente devido às horas extraordinárias dos médicos) seja derivado de os funcionários públicos trabalharem 35 horas em vez de 40.

4 comentários:

gostámos tanto tanto da femme I e II aussi disse...

é um relatório muito muito muito muito mal feito, não conta o nº de médicos que foram apanhados a fazer receitas

os não dependentes que beneficiaram de adse adme e adm...

nem os hepatologistas que fazem mais horas no privado do que no púbico ou a aturar delegadas de propaganda médica boazonas ou zézés camarinhas do figadal músculo

já o brasil mete tetos en todas as tetas

Inflação faz Previdência elevar reajuste de benefícios acima do mínimo para 6,2%
Do UOL, em São Paulo
Comentários 31

Os aposentados e pensionistas que recebem benefício maior que o salário mínimo terão reajuste de 6,2% neste ano, e não de 6,15%, como havia sido divulgado na ontem (9). Com isso, o novo teto da Previdência Social será de R$ 4.159, e não R$ 4,157,05....

ser aposentado no brasiu é fogo né...

antes a cova da iria que o sns... disse...

o facto de a comunica a são sucia all pegar em qualquer fibrose do orgão que passa por cérebro e diagnosticar

maleitas curáveis por milagre em cancros hepáticos incuráveis tamém é nice

e idas a fátima como terapia alternativa?

In previously untreated patients, 79% of those receiving telaprevir experienced a sustained virologic response (SVR) compared with less than 50% with peginterferon alfa and ribavirin treatment alone.
Cure rate for patients treated with telaprevir across all studies, and across all patient groups, was between 20-45% higher than current regimen.
Course of treatment decreased from 48 weeks to 24 weeks

e sem querer ser chato disse...

adivinha quantos médicos em horas extra ordinárias no hospital do SNS da linha amarela fazem horas ordinárias nas pausas para café e al moço no hospital da luz que é da linha azul do sns?

se nã sabes pergunta ó doutor soares e às duas enfermeiras e ao interno do 3º turne....

as horas extra ordinárias dão pra tanto

O Senhor do Kratos disse...

e são horas mercury free...

o sns é muito muito bom

mas para horas extra ordinárias que para ser lá internado com aquela maralha cheia de infecções...

sai-se de lá peor do que quando se entra
antes a mitra...ou o tourel

voltámos aos anos 30 de facto
O hospital escolar de Lisboa inda nã foi feito plo alimão Irmão Diz tell