20/10/15

É pena que o ridículo não mate propostas como esta — deixando amavelmente incólumes as pessoas dos seus autores e arrancando as suas mentes ao reaccionarismo obscurantista que as obnubila



Diga-se de passagem que esta insistência assanhada na tecla nacionalista por parte do PCP poderá bem ter a ver com as conversações em curso entre António Costa e a "esquerda da esquerda" parlamentar. Mas, a ser assim, a conclusão que o título deste post enuncia mantém-se e a sua necessidade lógica só pode tornar-se ainda mais categórica.

13 comentários:

Paulo Marques disse...

Milagroso, aceitável e responsável só a arma preferida dos capitalistas, o Euro.

Miguel Serras Pereira disse...

Claro, Paulo Marques. O escudo, ao contrário do euro, é uma inexpugnável muralha de aço patriótica e de esquerda. Se ainda hoje admiramos as pirâmides que custaram milhares e milhares de vidas de escravos, o escudo não é menos do que as pirâmides e a sua restauração bem mereceria o sacrifício dos trabalhadores portugueses, para os quais não é concebível mais alta recompensa do que a de servirem a independência nacional. Sente-se melhor assim?

msp

Paulo Marques disse...

Não precisa de ser o escudo, desde que seja séria, e o euro não o é. Entre isso e uma moeda única que nunca será uma moeda única gerida por um banco central que nunca será banco central sei qual é a minha escolha. Se alguém queira criar uma verdadeira moeda única, ela que venha.

Miguel Serras Pereira disse...

Mas, Paulo Marques, é isso mesmo. Também eu penso que, como você implicitamente reconhece, uma outra aequitectura da zona euro requer uma integração económica e polotica aprofundada, mais propícia de resto às tarefas de democratização que delineiem uma alternativa às actuais relações de poder.

msp

Anónimo disse...

" Não é verdade que façamos abstracção da politica. Não o fazemos, uma vez que a queremos destruir. Eis o ponto essencial pelo qual nos separamos radicalmente das politicas e dos socialistas burgueses radicais. A politica feita por eles consiste na utilização, pela reforma e transformação, da politica e do Estado; enquanto que a nossa politica, a única que admitimos, é a abolição total do Estado, e da politica que o estrutura ". M. Bakounine, in " Théorie générale de la Revolution",org. G.P. Maximov. Edits. Les nuits rouges. Paris.
Como diz o JPP, a sociedade portuguesa está muito radicalizada... Urge pensar a libertação e indisciplinar os sentidos e Eros.Há anos a esta parte, que se sabe que o colete-de-forças do Euro- a rrave-mestre do ordo-liberalismo alemão disseminador e totalitário- só favorece as economias ultra-perfomantes do Norte da Europa que colonizam já parte dos principais países da ex-URSS, com a Russia à cabeça. Niet

Paulo Marques disse...

MSP: Não há um mínimo de vontade política para refazer quase por completo o Euro, por isso mais vale deitar abaixo para fazer de novo do que andar mais duas décadas na mesma crise. Bem, nem isso é possível, qualquer abanão que se siga arrisca-se a acabar com o Euro e com o resto tal a possibilidade de caos.
Um poder que nada tem de democrático normalmente não se reformula, desfaz-se porque ninguém abdica dele, ao ponto de começar a ilegalizar formulações alternativas.

Miguel Serras Pereira disse...

Paulo Marques: da salvaguarda e possível extensão dos direitos e liberdades fundamentais, do comabte nos locais de trabalho e no espaço da cidade, à questão dos refugiados e às ameaças da globalização, etc., não há questão para a qual um quadro europeu aprofundado— sem dúvida a transformar pela luta dos trabalhadores e conjunto dos cidadãos comuns — não permita melhores respostas e melhores condições de acção política do que o quadro de (pseudo-)independências nacionais que resultaria de uma desagregação da UE — quadro que também nada teria de democrático e, pelo contrário, acarretaria autoritarismo e militarização, além de uma degradação das condições de vida da imensa maioria dos cidadãos.

msp

jose guinote disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
jose guinote disse...

Do ponto de vista dos nacionalistas, ou dos que, não o sendo, defendem a saída da União Europeia, há uma contradição extraordinária. Supostamente, essa opção permitiria, a partir de uma moeda própria, refazer aquilo que o euro destruiu. Ora não existe nenhuma possibilidade de reconstruir seja o que for no contexto europeu, começando por nos autoexcluirmos do euro. O único caminho - embora difícil - é dentro da Europa e mudando a Europa por dentro, com a força de todos os Europeus. Os problemas europeus são eocnómicos mas são sobretudo não económicos. É um problema terrível de falta de democracia, de negação no dia a dia de todos nós dessa democracia fundamental. Na postura nacionalista há uma incapacidade para reconhecer a força de todos os europeus, a sua força conjunta. Temos que fazer o contrário daquilo que as maiorias políticas europeias estão a fazer desde Masstricht; desfazer o modelo social europeu. Temos que reforçar/reconstruir a solidariedade e a justiça social.
Curiosamente nunca como agora começam a existir condições para iniciar esse trabalho. Se pensarmos no Labour, no Syriza, mesmo com os vexames a que foi sujeito, no que pode estar a iniciar-se em Portugal, no que acontecerá em Espanha, que não será a mesma coisa que a maioria absoluta do PP, talvez seja possível no curto prazo começar a dar voz ao descontentamento generalizado que vai por essa Europa fora. Talvez o flanco esquerdo - com as suas diferenças, pois claro - possa começar a ter voz, uma nova voz.
Miguel o teu post mostra como são traumáticos e violentos os caminhos que podem conduzir a uma unidade à esquerda. O PCP leu muito depressa e bem os resultados eleitorais. A sua resposta condicionou toda a actuação política à esquerda. Difícil é depois gerir as consequências das opções que somos obrigados a tomar. Gerir as contradições, que o próprio Cavaco quis avivar logo na primeira comunicação a seguir às eleições.
O PCP nestes casos abusa sempre um bocado da falta de oportunidade. É como se os seus deputados europeus quisessem deixar à vista a pureza nacionalista - eles chamam-lhe patriótica e de esquerda - da sua postura política. Lamentável.

Miguel Serras Pereira disse...

Caro José Guinote,
tudo bem, com duas ressalvas, que, em princípio, creio que aceitarás sem problema de maior. 1. A democratização política ou da política não pode deixar de passar desde o início por uma repolitização explícita e democrática da esfera económica — tanto ao nível macro como ao nível das empresas e dos locais de trabalho. 2. A democratização em causa terá de ter por primeiros protagonistas quotidianos os cidadãos comuns, a grande maioria das pessoas comuns — reivindicando e pondo em prática formas de participação igualitária a todos os níveis da cidade, formas de participação que tendam a superar a distinção estrutural e permanente entre governantes e governados.

Abraço

miguel(sp)

jose guinote disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
jose guinote disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
jose guinote disse...

Meu caro Miguel nada a opor antes pelo contrário. O problema do debate económico que nos vão servindo é que ele se situa apenas e só no plano macro e numa capela de acesso restrito aos especialistas. Essa "especialização" visa combater qualquer veleidade de democratização e de repolitização do debate público. Ele passa a ser o local de eleição dos "especialistas", E, nesse particular, as diferenças que nos propõem entre a esquerda e a direita são, quase sempre, diferenças menores. Sem alterar as outras escalas não se consegue mudar nada. Isso leva-nos para o plano dos debates e dos compromissos entre as esquerdas. No debate eleitoral falou-se uma miséria de desigualdade e de corrupção. Mas, no dia a dia das empresas e dos trabalhadores, toda a gente sabe bem o que significa desigualdade e corrupção e as suas consequências. Desigualdade quer dizer, por exemplo, que os trabalhadores não têm nada a dizer sobre a vida da empresa e sobre as decisões que a ela dizem respeito. Muito menos sobre a crescente desigualdade salarial, a menos de qualquer justificação que não seja o poder de que se dispõe, para impor a exploração. Corrupção quer dizer que a empresa A ganha o trabalho que a empresa B podia fazer, caso tivesse ao menos o direito a concorrer, porque o autarca, recorrendo aos ajustes directos, entrega o trabalho a essa empresa, que tem lá um gajo do seu partido ou que financiou a campanha e agora cobra. Empresa que não tem trabalhadores permanentes recorrendo a contratados mais ou menos à tarefa. A empresa B depois de anos a tentar sobreviver e a perder dinheiro - o Estado está minado pela corrupção e os ajustes directos são uma catástrofe - vê-se obrigada a fechar. Eu acho que um bom acordo à esquerda tem um conjunto de questões económicas que são chave. Que devem abordar as questões da receita. Não é como a esquerda tonta pensa apenas e só aumentar impostos. Para isso o Portas e o Passos já mostraram a sua raça. Como é que a coligação de esquerda vai reduzir a despesa? Como é que vai aumentar a transparência na economia? Eu proponho duas soluções, entre outras: rever as Parcerias Público privadas e as tarifas da energia e introduzir uma moratória que proíba os ajustes directos durante quatro anos obrigando todas as contratações a serem por concurso público. No primeiro caso devem ser cortadas taxas de rentabilidade exageradas e essas rentabilidades devem ser indexadas às taxas de remuneração do capital no sistema bancário. Limitar a valores da ordem dos 10 mil euros os ajustes directos, apenas para bens de consumo imediato. O actual valor dos 75 mil euros para aquisição de bens e serviços deve ser imediatamente revogado.
Mas claro que depositar grandes esperanças numa melhoria da situação política sem novas formas, mais democráticas e mais eficazes, de participação de todos na definição do futuro comum, leva a grandes decepções.