17/10/17

Com o voto censitário no horizonte

Mais interesantes do que as recomendações que Owen Jones sugere ao Labour, nesta sua crónica, é o facto de esta deixar claro, para quem tome bem nota do que lê e reflicta sobre os dados da questão, que estamos perante os primeiros passos de restringir o sufrágio universal e de reinstituir o voto censitário.

1 comentários:

jose guinote disse...

Meu caro Miguel, a questão é exactamente essa que tu colocas. Está em curso uma tentativa dos Conservadores de limitarem o direito de voto, impondo severas restrições que afectem os mais pobre e os mais novos. Um único objectivo: impedir a eminente, e desejada pela maioria da população, ascensão do Labour ao poder.

Esta fortíssima tentativa de mudar as regras da democracia para mantero poder a todo o custo tem uma explicação. Os conservadores estão muito bem cientes da importância do projecto político liderado por Corbyn. Trata-se da terceira revolução democrática na Inglaterra, como muito bem explicava o mesmo Owen Jones, num outro artigo de opinião no mês passado.
https://www.theguardian.com/commentisfree/2017/sep/27/socialism-jeremy-corbyn-labour-conference
Tal como Clement Atllee e Margareth Thatcher, Corbyn propõe uma mudança de fundo na sociedade britânica. Adoptar as políticas necessárias para que a desigualdade deixe de ser o escândalo que é hoje num dos países mais poderosos do mundo.

A esquerda, por cá, devia tentar perceber bem aquilo que Corbyn está a fazer para lá da Mancha e tentar replicar. Em vez de uma austeridadezinha com uma conscienciazinha social, uma rotura com o status quo que vai muito para além da simples revitalização da social-democracia.
Um abraço.