06/01/17

USA. A batalha entre Republicanos e Democratas e os conflitos de interesse que apoquentam Trump.

Além do conflito entre democratas e republicanos em torno do Obamacare, os dois partidos estão a posicionar-se para uma longa batalha. A maioria republicana nas duas câmaras talvez não seja suficiente para permitir aos republicanos uma radical mudança nas politicas. Com efeito existem diversas sensibilidades entre eles e, no caso do Obamacare, o próprio presidente eleito não pretende dar cobertura aos sectores mais radicais da sua bancada.

A batalha vai agora seguir para a questão das polémicas nomeações de Trump para a sua equipa governamental. Os democratas questionam a nomeação de oito entre eles. E prometem audições dificeis. A isto deve-se somar a própria situação de Trump cujos negócios e teia de interesses internacionais podem eventualmente conflituar com a função a desempenhar.

Obama está a empenhar-se na preparação do combate politico que visa reagir às iniciativas do novo presidente e defender o seu legado. Um facto relativamente invulgar na politica americana, como salientam os comentadores.


5 comentários:

Niet disse...

Bela iniciativa de José Guinote em tentar espevitar a reflexão sobre a vitória do candidato atipico e inimaginável de franjas do PR que se locupetearam com os erros tácticos da longuissima estratégia neoliberal dos Clinton´s e de Obama. Chomsky já deu uma entrevista em que caracteriza o " novo " Partido Republicano como um " insurgent outlier- ideologically extreme, scornful of compromise, unpersuadede by conventional understand of facts, evidence and science ". E as principais " escolhas " para nomeações ministeriais de Trump apontam para o reforço e consolidação dessa estratégia de afrontamento social. Onde a aposta na " corrida ao incremento do arsenal militar e atómico " servirá como pivot de um envolvimento ideológico altamente perigoso e polémico.Niet

jose guinote disse...

Meu caro Niet uma das características que me chama a atenção nas nomeações de Trump para os diversos ministérios é o facto de os seus futuros titulares defenderem desde sempre a sua abolição. É assim com o Secretário de Estado da Energia, Rick Perry,um céptico das alterações climáticas que em 2011 num debate presidencial prometeu extinguir o departamento que agora vai liderar sem ser capaz de dizer correctamente o seu nome. Na mesma área o responsável pela Agencia Nacional de Energia, Scott Pruit, é conhecido por ser um negacionista radical que defende a extinção da agência que agora vai liderar e que representou 28 Estados numa acção conjunta contra a ANE. Passa-se o mesmo com Ben Carson, Secretário para a Habitação e o Desenvolvimento Urbano, um hiper-conservador que está contra todo o tipo de apoios sociais providenciados pelo estado e defende com uma convicção total que as pirâmides do Egipto foram construídas para armazenar cereais. Ou Betsy DEVos nomeada para a Educação que defende a entrega do sector aos privados com Vouchers pagos pelo Estado. A lista pode continuar porque não há memória de uma coisa assim. Por isso faz sentido a preocupação de Chomsky que está a perceber bem o problema contrariamente a muitos cérebros de esquerda que não tiveram nenhum pejo em aplaudir a vitória de Trump.

Niet disse...

Carissimo:O partido do empreiteiro está entre o receoso e o incrédulo com as ideias extravagantes e funestas do eleito, com velhos e experimentados senadores como MCain, por exemplo,a torcerem cada vez mais o nariz. A New Yorker e a The Economist têem publicado boas análises que permitem avaliar as " loucuras " do " crimogenismo "(sic) politico e moral/social do felizardo...Os dois conselheiros principais- Bannon e a directora Conway -pagos a peso de ouro por dois mecenas fanáticos-irao incendiar a pradaria, quer o futuro ocupante da Casa Branca o queira ou nao.Parece que o provecto Kissinger anda a retomar as suas preleccoes geopoliticas na Atlantic, inquieto pelos rumores da reviravolta total da politica com a Russia de Poutin e a Nato... Niet

separatista-50-50 disse...

Donald Trump TOCOU NUM TEMA TABU: fronteiras/Identidade!...
Resultado: existiu/existe uma campanha global anti-Trump.
.
Nota: a alta finança (capital global) pretende dividir/dissolver as Nações... terraplanar as Identidades... para assim melhor estabelecerem a Nova Ordem Mundial: uma nova ordem a seguir ao caos – uma ordem mercenária (um Neofeudalismo).
{Obs: por todo o lado existem marionetas ao serviço da alta finança - capital global}
.
Actualmente a alta finança (fornecendo armas das suas fábricas de armamento) está a patrocinar os fundamentalistas islâmicos... que poderão ser usados para... terraplanar Identidades.
.
.
.
.
Anexo
É necessário mesmo um Activismo Global: para combater a LÓGICA DO VALE TUDO EM NOME DE CRITÉRIOS ECONOMICISTAS (I) e conseguir implementar a LÓGICA DO DIREITO À SOBREVIVÊNCIA (II).
-» I) há séculos que as Casas Reais e a Igreja Católica se vendem aos interesses económicos [participaram inclusive no branqueamento de Holocaustos Massivos: povos nativos economicamente pouco rentáveis e teimosos - isto é, ambicionavam ter o seu espaço no planeta, e ambicionavam prosperar ao seu ritmo - levaram com um Holocausto Massivo em cima]... mais... se os nativos europeus não fossem (na altura) economicamente rentáveis, nunca teriam sido eles (na altura), mas sim outros, os colonizadores dos "novos" territórios.
-» II) todos diferentes, todos iguais... isto é, todas as Identidades Autóctones devem possuir o Direito de ter o SEU espaço no planeta (nota: inclusive as de pouco rendimento demográfico... inclusive as economicamente pouco rentáveis).
Os 'globalization-lovers', UE-lovers e afins... que fiquem na sua... desde que respeitem os Direitos dos outros... e vice-versa.
Pelo legítimo Direito à Sobrevivência das Identidades Autóctones:
- http://separatismo--50--50.blogspot.com/
.
.
P.S.
Imagine-se manifestações (pró-Direito à Sobrevivência) na Europa, na América do Norte (Índios nativos), na América do Sul (Índios da Amazónia), na Ásia (Tibetanos), na Austrália (Aborígenes), ETC... manifestações essas envolvendo, lado a lado, participantes dos diversos continentes do planeta... tais manifestações teriam um impacto global muito forte.

Niet disse...

Não me digam que um anti-semita notório e arrepiante- que engalanava o seu nome nos comments com uma foto de prancha de surf- se transmutou num fellow atrevido do promotor imobiliário usando um disfarce catatónico tentando ser separatista fifty-fifty? Niet