27/12/11

O genocidio arménio

Há uma crise entre a França e Turquia devida a uma lei francesa segundo a qual dizer "o genocidio arménio não existiu" passa a ser um crime.

A minha opinião acerca disso (e de leis criminalizando a negação do Holocausto, já agora) - se alguém quer fazer figura de parvo e dizer coisas disparatadas (como negar factos históricos amplamente comprovados), é com ele, não é um assunto para ser regulado por leis.

6 comentários:

Anónimo disse...

É o cúmulo da imbecilidade tentar regulamentar legalmente factos históricos do passado.

JOSÉ LUIZ SARMENTO disse...

Concordo. Nem a Turquia, nem a França têm direito a impor legalmente uma qualquer «verdade» sobre o genocídio arménio. O conflito entre os dois países sobre esta matéria é um combate de idiotas.

Zé_Lucas disse...

Pois, pois. E quem determina quais os "factos históricos" a considerar? Como posição de principio, a sua não está má...

Miguel Serras Pereira disse...

Boa malha, camarada Miguel Madeira.
Convém lembrar que a oposição à criminalização das falsificações da História teve entre os seus porta-vozes mais distintos Pierre Vidal-Naquet, que foi, ao mesmo tempo, um incomparável "pourfendeur" do negacionismo e dos "assassinos da memória".

Abraço libertário

miguel(sp)

AP Barsoumian disse...

Só corrigindo a informação dada aqui, a lei francesa que prevê um ano de prisão e multa de 45 mil euros se refere à negação de QUALQUER genocídio por pessoa que se encontra dentro do território francês.
Mesmo assim, o que você disse, Miguel, sobre essa lei estar mais voltada à discussão sobre o genocídio amênio não é incorreto.
Eu acredito que qualquer esforço voltado ao reconhecimento e punição do genocídio armênio, primeiro genocídio do século XX, é válido, porém não acredito que punir o seu não reconhecimento pelos civis seja a melhor saída, como você já disse...
Só deixando a opinião de uma descendente de armênios que sabe o quanto seus ancestrais sofreram com a horrenda matança promovida pelos Jovens Turcos entre 1915 e 1917.

Miguel Madeira disse...

Então isso pode ser ainda pior - o que fazer no caso de genocidios mais polémicos, como o Holodomor (o "genocidio ucraniano"), que segundo os ucranianos foi um genocidio, e segundo os russos foi "apenas" uma fome resultante da colectivização forçada igual às que ocorreram na Rússia e no resto da URSS?