14/10/11

Para que servem os sindicatos? Porque se calam os sindicalistas?

A gente percebe que a CGTP e a UGT não achem conveniente convocar manifestações próprias para se juntarem à de amanhã; mas não se vê o que as impede de convidarem os seus associados a juntarem-se, enquanto cidadãos, à manifestação de 15 de Outubro. No caso da CGTP, concretamente e a título de exemplo, a gente também percebe que Carvalho da Silva tenha boas razões para não formular em nome da CGTP esse convite; mas não se vê o que o impede (e a outros conhecidos sindicalistas) de, enquanto cidadão, exortar os seus concidadãos a participarem no protesto e a contribuírem para o seu avanço.

Afinal para que servem a CGTP e a UGT, se não fazem outra coisa a este propósito e neste momento que não seja confirmar, uma vez mais, que aceitam e contribuem para fazer funcionar a divisão do trabalho político da oligarquia? Afinal o que querem e o que andam a fazer os sindicalistas, que, como Carvalho da Silva e outros, falam da necessidade de renovar e reorganizar democraticamente as associações sindicais?

Adenda. Um comentador deste post - AP - chama-me a tenção para as seguintes declarações de Carvalho da Silva que eu ainda não conhecia: "O líder da CGTP exortou os portugueses a mobilizarem-se contra as medidas de austeridade que têm sido impostas e considerou que a manifestação marcada para sábado pela chamada “geração à rasca” é uma boa oportunidade para a mobilização de todos" - palavras hoje divulgadas hoje pelo Público. Embora eu creia que, no essencial, as razões que me levaram a escrever o post se mantêm — porque o mínimo que se pode dizer é que as palavras de Carvalho da Silva são insuficientes e não chegam a ser um apelo à mobilização —, a ressalva aqui fica. 

12 comentários:

Anónimo disse...

Caro Miguel, eu vou à manifestação amanhã, tal como fui à de dia 1 de Outubro. Nunca fui sindicalizado noutra central sindical que não fosse a CGTP, sempre fui sindicalizado e sempre me senti bem representado. Não preciso que a CGTP me diga para participar ou deixar de participar nesta ou naquela manifestação.
A manifestação de amanhã tem convocadores próprios, que definiram a sua própria agenda para o protesto, prezam muito a sua independência de partidos, tendências políticas, etc… Fazem muito bem, é uma escolha legítima. Agreguem amanhã o maior número possível de cidadãos em protesto contra este retrocesso civilizacional e isso será bom. A CGTP, os seus sindicatos e os seus sindicalizados, nos quais me incluo, não deixaram de ser uma força social e política convergente com a mudança social.
Concentrem-se no essencial e não se dispersem pelo assessório.
Ao contrário do que deixa transparecer o seu texto, a CGTP não será seguramente para si um entrave à luta social.

Bruno Simão

AP disse...

"O líder da CGTP exortou os portugueses a mobilizarem-se contra as medidas de austeridade que têm sido impostas e considerou que a manifestação marcada para sábado pela chamada “geração à rasca” é uma boa oportunidade para a mobilização de todos."
in público, 14-10-2011

Anónimo disse...

Não tinha lido essa referência do público. Caro Miguel corrija lá o seu post.

Bruno Simão

JOSÉ LUIZ SARMENTO disse...

As centrais sindicais hão-de ir na manifestação. Se não forem à frente, irão atrás.

LAM disse...

José Luiz Sarmento,
Isso é uma boa notícia. É pena não o terem divulgado e apelado à participação, de forma visível e comprometido com a luta.

Miguel Serras Pereira disse...

Nem mais, camarada LAM.

Abraço

msp

Manojas disse...

O que isto prova é que, infelizmente, em Portugal, as esquerdas nunca se irão entender. Depois dizemos que a direita é que é estúpida.

Anónimo disse...

A instituição sindical, tal como é e funciona, faz mais parte da ordem velha, que é necessário substituir, do que de uma nova ordem.

Os sindicatos são fundamentalmente válvulas de escape do sistema, cujos fundamentos não põem em causa.

A declaração do Carvalho da Silva deve ser entendida ou como um "desabafo" - à Alberto João Jardim - e pelo qual a estas horas já lhe devem ter puxado as orelhas, ou então como uma tentativa da CGTP não perder um comboio, que supõe poder controlar.

nelson anjos

Miguel Serras Pereira disse...

Camarada Nelson, há muito tempo que aqui não vinhas e a verdade é que isso me contrariava e desanimava. Mas queria dizer-te que apareces no momento certo para falar certo e claro, dizendo o essencial como é cada vez mais preciso. Tentarei seguir-te o exemplo. Nem sempre é fácil, mas vou fazendo o que posso.

Abraço grande

misp

vítor dias disse...

É preciso ter um umbigo do tamanho do lago do Campo Grande
para, a respeito de um assunto destes, lançar a pergunta «para que servem os sindicatos ?» .

Mas não admira, isto só mostra que, para alguns, oc carregadores de pianos são sempre bem-vindos.

Miguel Serras Pereira disse...

Vítor Dias:

Umbigo? Pianos? Campo Grande?
Reconheço que os temas são fascinantes e que os dons da sua imaginação fazem jus ao mais sincero assombro.
É verdade que a questão em apreço no meu pobre post era outra, muito mais chã. Mas isso pouco lhe deve importar. Lamento não lhe poder responder, mas esteja à vontade para desabafar a fantasia.

msp

Marco disse...

o senhor é oficialmente chato como a potassa...