30/09/10

Porque Portugal está condenado ao colapso.

O principal problema de Portugal, mais do que o deficit, é o quase nulo crescimento económico; e esse baixo crescimento é o resultado de nos últimos 10 anos os preços (e salários nominais) terem crescido muito mais depressa em Portugal (e na periferia da UE - Grécia, Espanha, Irlanda) no que no resto da Europa (suponho que o principal incentivo para isso tenham sido os juros baixos propiciados pela moeda única).

E o resultado desses preços altos é que os sectores que estão em competição com o exterior (seja porque exportam, seja porque competem com as importações), como a indústria ou a agricultura, perderam "competitividade" e deixaram de ser viáveis, ficando o país largamente reduzido aos sectores que tem que ser produzidos no lugar onde são consumidos, como o comércios, serviços e imobiliário, uma situação que não é sustentavel a prazo.

E há solução para isso? Não. Mesmo que fosse possível deflacionar (seja por uma deflação mesmo, seja saido do euro e desvalorizando o "novo escudo"), o resultado disso seria um aumento enorme do valor da dívida - p.ex., se tivessemos uma deflação de 30% (um número que costuma ser sugerido), isso significaria um aumento de 43% no valor real da dívida.

Desta forma, estamos entre a morte lenta do "não produzir nada" e a morte rápida da deflação e falência total; ou seja, acho que não há solução dentro do sistema.

7 comentários:

miguel disse...

MM: "acho que não há solução dentro do sistema"

A "solução dentro do sistema" capitalista é a aceleração do processo federativo, com a consequente subalternização das políticas dos Estados Federados ao Orçamento Geral da União imposto pelo BCE. Embora não seja mais do que um "balão de oxigénio" permite ainda assim "ganhar tempo" e adiar a "ruptura do sistema".

Esta é a única "solução dentro do sistema" que não passa pelo genocídio (a eliminação física sistemática de milhões de indivíduos supérfluos para o sistema).

Anónimo disse...

:) Salários nominais terem crescido muito depressa :)))))))) (realmente o universo destes blogs é mesmo o do círculo de café, neste caso, bom café). Que desgraça intelectual.

Luis Rainha disse...

Para ver se este amigo aprende alguma coisinha, uma página com bonecos: http://www.italiamiga.com.br/noticias/artigos/salario_nominal_e_salario_real.htm

João Vasco disse...

Anónimo:

O que está escrito não é que os salarios subiram "muito depressa", mas sim "mais depressa que".

Como isso é uma questão objectiva e não uma de opinião, estou curioso: tem dados que mostrem que a afirmação é falsa? Ou prefere insultar quem lhe apresenta factos que não sabia serem verdadeiros?

Niet disse...

Crise: Contracção ou Recessão,Ou Falência técnica? O grande analista e antecipador/previsionista da Crise Financeira Mundial 2008/9, Nouriel Roubini, traça perspectivas muito sombrias para as economias avançadas dos EUA, U. Europeia, China e Japão, num artigo datado do início de Agosto último.E dizemos avançadas- aqui está o pormenor -porque o caso de Portugal perde-se por não atingir visibilidade estratégica,claro. Como que a dizer, subtilmente, a crise ou a recessão estão a chegar- e será inevitável caso os USA tentem atacar o Irão, pois o preço do petróleo disparará -e o crescimento pode ser Nulo na Zona Euro! A economia portuguesa- segundo a análise geral de Roubini- será envolvida, portanto,se podemos fazer tal projecção " por fortes aumentos nos ´spreads``da liquidez soberana, empresarial e interbancária " que " contribuirão para aumentar o custo do capital e intensificarão a aversão ao risco, a volatibilidade e o Risco Soberano, o que minará ainda mais a confiança dos empresários, dos investidores e dos consumidores ".
Expliquem-me como tudo isto pode favorecer a luta de classes: que é a única saída para mais este ciclo de uma crise de excesso de oferta e alto desemprego,de acumulação capitalista ao nivel do aleatório e virtual e de uma crescente e terrível desigualdade social, a nivel de cada região, de cada país e de cada zona do Mundo. Niet

PR disse...

Bom post. Vou ver se amanhã arranjo um tempo para responder com alguns números.

Nuno Gaspar disse...

"E há solução para isso? Não."

Ter um governo menos hostil à inicitiva de PMEs ajudava.

http://jornal.publico.pt/noticia/30-09-2010/camara-do-cartaxo-nao-vai-respeitar-ordem-do-governo-para-encerrar-empresa-ilegal-20308892.htm