18/06/10

José Saramago (1922-2010)

E então chegou a república. Ganhavam os homens doze ou treze vinténs, e as mulheres menos de metade, como de costume. Comiam ambos o mesmo pão de bagaço, os mesmos farrapos de couve, os mesmos talos. A república veio despachada de Lisboa, andou de terra em terra pelo telégrafo, se o havia, recomendou-se pela imprensa, se a sabiam ler, pelo passar de bolca em boca, que sempre foi o mais fácil. O trono caíra, o altar dizia que por ora não era este reino o seu mundo, o latifúndio percebeu tudo e deixou-se estar, e um litro de azeite custava mais de dois mil réis, dez vezes a jorna de um homem. Viva a república, Viva.[...]
Por todas as herdades corria um vento mau de insurreição, um rosnar de lobo acuado e faminto que grande dano lhe causaria se viesse a transformar-se em exercício de dentes. Havia pois que dar um exemplo, uma lição.[...]
Já lá vai adiante o esquadrão da guarda, amorosa filha desta república, ainda os cavalos tremem e a espuma fica pelo ar em flocos repartida, e agora passa-se à segunda fase do plano da batalha, é ir por montes e montados em rusga e caça aos trabalhadores que andam incitando os outros à rebelião e à greve, deixando os trabalhadores agrícolas parados e o gado sem pastores, e assim foram presos trinta e três deles, com os principais instigadores, que deram entrada nas prisões militares. Assim os levaram, como a récua de burros albardados de açoites, pancadas e dichotes vários, filhos da puta, vê lá onde é que vais dar com os cornos, viva a guarda da república, viva a república da guarda."
José Saramago, Levantado do chão

4 comentários:

Miguel Madeira disse...

Só consegui ler dois livros dele - esse foi um.

Grunho disse...

Caro Miguel Madeira.
Lí "O ano da morte de Ricardo Reis" e descobri uma descrição da minha cidade, Lisboa, quase trinta anos anterior às minhas memórias mas que se identificava espantosamente com elas.
A escrita do José Saramago não é imediatamente fácil, mas é de uma qualidade difícil ultrapassar e que por certo nem eu nem tu alcançariamos (nem pretendo armar-me em escritor, era o que faltava)
Mas esse modo de dizer - Só consegui... - parece-me uma tentativa (bastante ridícula, diga-se) de atirar para o lixo um excelente escritor.
E é claro que me tornei fã e que li mais do que dois livros dele.

Carlos Barbosa de Oliveira disse...

Não será o melhor livro dele, mas foi o que mais me marcou.

Miguel Madeira disse...

Era mais uma tentativa de atirar para o pedestal este livro especifico