21/08/11

Antes uma aporia que um consenso

Ao interrogar-se sobre “o que é o roubo de um banco, comparado com a criação de um novo banco” Brecht baralha as evidências a respeito do que seja um crime. Michael Moore parece ter interpretado a tirada praticamente à letra e rodeou o New York Stock Exchange com uma fita em que constava a frase «Crime scene do not cross»... Até aí, permanece-se no campo da denúncia de carácter mais ou menos anedótico. Seja como for, mutatis mutandis, as evidências que se baralham são as que andam de mãos dadas com a hipocrisia que consiste em condenar como crimes actos de violência subjectiva, fechando simultaneamente os olhos à violência objectiva/sistémica – como lhes chama Zizek – que amiúde está na origem daqueles.

Não obstante, ao pensarmos nos acontecimentos da semana passada em Inglaterra, não está apenas em jogo a problematização da fronteira entre o que releva ou não de um crime, mas a dinâmica e a lógica das práticas que decorreram da suspensão temporária dessa fronteira; não que apenas actos norteados por ideais, cientes das razões que os norteiam, mereçam o titulo de “políticos” – como se só gestos subversivos que obedecessem a palavras de ordem o fossem –, mas reconhecer a amplitude do político não nos obriga a saudar – com um zelo revolucionário excessivamente lesto – actos em que o poder de quem não tem nada a perder se confunde com a arbitrariedade de quem já não crê ter algo a ganhar.


De resto, que sentido faria aqui saudar os amotinados? Ou – ao invés, mas pelas mesmas razões – condenar? Se não, vejamos: se há um consenso tácito entre os “durões” e os “moles” – para utilizar as expressões do Zé Neves –, ou seja, entre os que pretendem, sem contemplações, punir os amotinados, e os que, contextualizando os seus actos de revolta, apenas corrigi-los, há um outro entre os “durões” que, podendo, não hesitariam em atirar os amotinados à água e os não menos durões de sinal contrário que, por eles, lançariam chamas sobre tudo o que pudesse arder. No fundo, tudo se resumiria a saber – e assim se entendem uns e outros “durões”, ambos reféns da lógica da vingança –, quem pôr borda fora, sendo que não é claro que a lógica do kierkegaardiano “ou sim ou sopas”, quando não só não há nada a perder como também não há nada a ganhar, possa ser boa conselheira.


Note-se que, pondo as coisas nestes termos, não situamos a discussão noutro plano que não o dos amotinados (ou seja, discute-se em termos políticos, e não em termos policiais). A aporia que subsiste, e que é a nossa, pode formular-se a partir da seguinte dificuldade – que é também um desafio: como não condenar hipocritamente actos de violência, sem ter de aprovar a arbitrariedade de que possam revestir-se, ou, em termos talvez mais substantivos, como não advogar uma visão idealista da política sem ter de saudar acriticamente toda e qualquer revolta, por mais desesperada que seja a sua manifestação.

3 comentários:

O Senhor dos Queijos disse...

A poria....e uma poria é?

Sem querer ser mais cachimbo qu'os cachimbos fumegantes de aforismos variados e sufixos e prefixos que geram negações no verbo....

Se as élites e os élitros de esquerda ou direita tanto faz (pois cada insecto se for coleóptero terá de ter dois simétricos..mesmo que vestigiais) pelo seu exemplo legitimaram a corrupção e o roubo organizado do estado

porque é que os restantes membros não devem considerar lícito espoliar e enganar o estado ou os restantes agentes sociais

afim de tirar a sua parte?

Bândalos Mit Us disse...

Ainda não chegou um discurso sobre os bons vândalos que estão pilhando, violando e assassinando em Tripoli?

São similares aos de Bagdad ou aos que pilharam o Cairo, ou as casotas do Ben Ali, se calhar amanhã há um Ceausescu com roupão cheio de chumbo, pelos bons vândalos.

Assinado : Vândalo Mimado e Cheio d'Opurtunities

Miguel Serras Pereira disse...

Caro João Pedro,

há dois versos do Mário Cesariny que talvez sejam um comentário menos mau a este teu post (e que saudades eu tinha de te ler por aqui…):

"Entre nós e as palavras, os emparedados
e entre nós e as palavras, o nosso dever falar"

Abraço

miguel(sp)