12/08/11

Cameron pondera restrições aos "media sociais"

Aqui ou aqui.

A esse respeito, relembro este post do MSP (na altura, em nem achei a questão muito premente, mas sinto-me tentado a reformular a minha posição).

[Alguém poderá comentar "os amotinados londrinos não estão a usar as redes sociais para nenhuma causa de valor"; mas ao darmos ao governo poder para limitar o uso-da-internet-para-combinar-pilhagens estamos também a dar-lhe o poder para  limitar o uso-da-internet-para-outra-coisa-qualquer; por exemplo, se for aprovada uma lei proibindo os envolvidos em distúrbios de aceder a redes sociais, essa lei poderia facilmente ser também usada, p.ex., contra os estudantes que ocuparam as universidades há uns meses].

14 comentários:

Banda in barbar disse...

Não é o uso da internet mas sim o do famoso circuito encriptado (mas pouco) de transmissão de sms em massa via internet


Num país com centos de milhares de câmaras de vigilância

E um governo tão corrupto nos últimos 40 anos como o nosso foi durante 100 e tal (enquanto estado parlamentar)

A diferença da Mossad ou dos egípcios e líbios é pequena

e quando Berlusconi mete 10% de imposto extraordinário acima dos 150 mil euros de rendimento anual

e as bolsas perdem uns triliões
ou biliões na escala mais longa

que são transferidos para outros produtos ou aforrados em bens duradouros

e com o verão a secar colheitas
e os franciu's a despejarem camiões de pêssegos espanhóis e alguns portugueses

não parece que as coisas vão melhorar em termos de democracias suspendidas

a democrática França ou o Portugal
democrático de João Soares da primeira república

também deixavam a Guarda Republicana e a Gendarmerie
atirar nas multidões quando se queixavam demais

madraços sempre houve
mas a maioria fica-se por gabinetes vários
(agora com ar condicionado)

Banda in barbar disse...

Ocupar universidades, ou fazer greves às aulas é sinal de sociedades de luxo

que começaram em 1968 com a 1ª revolta de privilegiados e termina nesta década

não escrevo mais para iletrados funcionais conseguirem perceber né?

Miguel Madeira disse...

"que começaram em 1968"

Mesmo no contexto da agitação dos anos 60, as ocupações de 1968 em França foram das últimas - já antes tinha havido coisas parecidas nos EUA e na Alemanha, p.ex.

Ou o exemplo talvez mais marcante - Argentina, 1918.

Até diria o contrário - é em sociedades relativamente pobres que há a tradição de os estudantes universitários se revoltarem. Na América Latina actual ou na Europa do séc. XIX era quase parte integrante do currículo. Quase que se pode dizer que as revoltas dos anos 60, se foram alguma coisa, foi o fim de uma era.

O que o Banda in barbar poderia tentar argumentar é que as revoltas universitárias são coisa de filhos de famílias privilegiadas (o que é diferente de serem produto de sociedades de luxo - afinal, provavelmente é nos países pobres que as universidades estão mais cheias de filhos de privilegiados)

Miguel Madeira disse...

"não escrevo mais para iletrados funcionais conseguirem perceber né?"

Outras sugestões para facilitar os iletrados funcionais:

1 - pontuação

2 - parágrafos não aleatórios

Nightwish disse...

Obviamente, isto é uma idiotice pegada e a polícia sabe-o muito melhor: tem usado a idiotice dos criminosos que julgam que estão incógnitos no facebook a apanham-nos facilmente.
Ou seja, muito pelo contrário, o Facebook ajuda-os a controlar estes movimentos.

roskoff disse...

Ou china, Tianamen 1911

e antes disso,

e não me refiro aos boxers de 1901,

que não eram estudantes

O que o Banda in barbar poderia tentar argumentar é que as revoltas universitárias são coisa de filhos de famílias privilegiadas (o que é diferente de serem produto de sociedades de luxo - afinal, provavelmente é nos países pobres que as universidades estão mais cheias de filhos de privilegiados)

refiro-me a revoltas de estudantes sem mortalidade associada

são típicas do pós-guerra

tou velho vou fazer ó-ó


repare-se quanto à pontuação e parágrafos aleatórios ou nã

é típico da organização da escrita das línguas ditas indo-europeias

só foi introduzido noutras

por processos coloniais

de certo modo a vossa geração

é muito picuinhas quanto à organização do texto e ao acordo orthographo

é uma geração de oradores e escritores pela forma

e não pelo conteúdo

e sem memória

muito do imediatismo do jornalismo de tablóide é típico do blogue

como discutir ou comentar assuntos

em 30 ou 300 linhas

é isto que nos levará ao fundo

se ao fundo ao estilo da rússia

ou ao estilo paquistanês isso não sei

roskoff disse...

Resumindo: Só a partir de 1960, houve revoltas estudantis, sem mortes associadas.

Fossem nos E.U.A ou no Brasil (salvo alguns casos na ditadura militar) ou em Portugal, na Argentina ou no Chile usaram munição real até aos anos 80.

E em África ainda hoje usam e nos anos 80 dispersava-se manifestação
com granadas de morteiro

Logo é algo que sucede em sociedades onde todos os estudantes têm muitos direitos adquiridos

inclusive o de não serem atropelados por unimog's

Nunca viu um estudante ser estoirado como um melão?

Eu já...

roskoff disse...

Convem estar dentro de paredes e longe da janela quando acontece.

mikado tá lixado disse...

Ou dizendo de outro modo escalonado e cheio de v´rgulas mentais, em 1961
ou 64 Anthony burgess escreveu sobre os revoltados do tédio, revoltados de uma sociedade amorfa, rica e incapaz de controle.

IIa) Uma geração onde um adolescente viola duas miúdas de 11 anos ao som de Beethoven (ou outro qualquer)

III)b uma revolta contra a autoridade e a polícia (pigs, matem a bófia, desumanizar o adversário que muitas vezes vem do mesmo meio que os seus adversários)

IV)OS CORSÁRIOS URBANOS -THE CLOCKWORK ORANGE REVOLUTION-THE BUCCANEER REVOLUTION
PODEMOS PORQUE PHODEMOS

AS GERAÇÕES DE LARANJAS LOUCAS CONSTROEM-SE NÃO NASCEM DO VAZIO

NASCEM DA FARTURA MATERIAL E DO TÉDIO

NASCEM DO ABANDONO E DA IRRESPONSABILIDADE

NASCEM DE TODOS NÓS

THE CLOCKWORK ORANGE GENERATION-DESTRUIR PARA TER PODER E PODER PHODER

REVOLUCIONÁRIOS ABORRECIDOS-A MORTE É O SEU DESTINO -O BILHETE PARA A OUTRA VIDA

A REVOLUÇÃO DOS CORPOS CHEIOS DE TÉDIO

REVOLUÇÕES SEM FOME E SEM RISCO

THE BUCCANEER REVOLUTION

OS CORSÁRIOS URBANOS

há centos de vídeos similares que se trocam entre telemóveis

não sei se percebeu

se nunca assistiu às revoltas estudantis contra cavaco com dúzias de alcolizados a gritar slogans e miudinhas do 8º e 9º em volta do acontecimento para aproveitarem a night depois...

então é pouco observador

as orgias de violência servem para a seleção de parceiros sexuais
dizia o Marquês de SAde

ainda não?

então fico por aqui...

Clockwork Arranja Men disse...

Repare-se que a repetição de adversário, duas vezes na mesma frase:

a)indica desorganização mental.

b)psicopatias variadas.

c)clockwork orange mode or mood para o caso tanto faz.

Faltaram muitas vírgulas disse...

É o fado.

Quando faltam soluções disse...

Arranjam-se restrições e mitomanias de revoluções perfeitas.

A DESRRESPEITO Das su gestões disse...

Saturday, 13 August 2011
MANIFESTO DOS SEPARADORES DE VÍRGULAS EM GREVE AFOGADOS NAS POÇAS DE ELECTRÕES
NADANDO NAS POÇAS DE ELECTRÕES

A QUE CHAMAM BLOGUES

AGENTE ANDA CANSADO

AS PALAVRAS PESAM-NOS NOS DEDOS

TODAS JUNTINHAS COMEÇAM A MUR MUU RAR

SEPARÁ-LAS EM FILAS

DEIXAM DE CHATEAR

POMOS MAIÚSCULAS PORQUE PARECEM

SER GIGANTES

MESMO QUANDO SÃO

ANÕES

OU ANONAS

E ASSIM EM GRUPOS PEQUERRUCHINHOS

LÁ VAMOS INDO

SEM VONTADE DE NADA FAZER

FAZENDO O NADA

EM PEQUENOS NADAS

NADANDO NAS POÇAS DE ELECTRÕES

QUE SE CHAMAM BLOGUES


VENCEREMOS

E DAÍ

TALVEZ

NÃO

Song The Sangue disse...

E para os 14 que é Dominica

Dia do Sol