30/03/11

E os rituais, pá?

Entende-se a indignação do venerando Vasco Lourenço sobre a anunciada falha comemorativista do 25 de Abril neste ano e na Assembleia da República. E este entendimento tem a ver com a compreensão necessária acerca da importância do simbólico. E da sua ritualização, é claro. Que, para os militares do MFA ainda vivos, são aspectos que, naturalmente, ocupam grossa dimensão na sua prática de gratificação pela memória. E, no entanto, bem vistas as coisas, o fim das solenidades parlamentares sobre o golpe militar de derrube da ditadura não será muito mais que a abolição de um acto revivalista, esforçado mas forçado. E que, para mais, seria inevitavelmente pontuado por mais um discurso à nação de sua excelência cavaquista, sem cravo na lapela nem cheiro dele no nariz e muito menos na consciência. Mas o que talvez devesse incomodar mais Vasco Lourenço é que já quase não há partido ou sindicato, colectividade, associação, manifestação, concentração ou ajuntamento espontâneo, blogue ou página do facebook, que clame (sequer) pela "defesa das conquistas de Abril", a maioria das quais foram murchando e sem darem lugar a mais e melhor, como a boa dialéctica assim o exigia. Devido à força do sentido das realidades e porque o "comemorar Abril" foi sendo cada vez mais uma romagem de saudades do que projecto renovado para alargar as liberdades. O que representa, politicamente falando e quanto à revisitação do 25 de Abril, que já se foram muitos dos dedos e quase todos os anéis. Vire-se de página, então. Porque a nostalgia de olhar para trás também cansa.

4 comentários:

RS disse...

Não há? em que planeta vive o senhor?

Anónimo disse...

Não há não.
Há o que o autor do post chama "romagens", isso há, no parlamento e nas praças, arrastando o tempo à medida que as testemunhas se vão finando. Picar o ponto também é um conceito bem aplicado e sempre, sempre "legal".

Miguel Jeri disse...

«já quase não há partido ou sindicato, colectividade, associação, manifestação, concentração ou ajuntamento espontâneo, blogue ou página do facebook, que clame (sequer) pela "defesa das conquistas de Abril"»

Deve viver na Lua. Ou então é um belo exercício de wishful thinking. Parabéns.

Anónimo disse...

Além do mais as comemorações do «25de Abril» são mais precisamente da «restauração» do 25 de Novembro. A principal missão das comemorações oficiais (Assembleia da República, Desfile Vasco Lourenço e Cia.) é a tentativa de fazer esquecer o desejo deste povo fazer uma mudança radical da sociedade em anos 74/75 e centra-se no golpe militar que derrubou uma ditadura podre.