25/03/11

A repressão em apuros no Médio Oriente

Convém mantermos a cabeça fria, mas o facto é que a repressão parece conhecer dificuldades e perder eficácia em vários países do Médio Oriente. E tanto a liberdade de acção como a margem de manobra dos regimes contestados são cada vez mais limitadas.

Na Síria ou na Jordânia, no Bahrein ou no Iémen, a conquista das liberdades e direitos fundamentais é uma batalha de desfecho ainda indeciso — como, de resto, em certo sentido, acontece nos países, como a Tunísia e o Egipto, onde a revolta popular conseguiu derrubar os ditadores locais. Com efeito, fazer cair um ditador ou uma ditadura não garante necessariamente a extensão dos direitos e liberdades.

Mas, por um lado, o exemplo tunisino e egípcio anima a revolta que eclode nos outros países da região, e, por outro, o exemplo da Líbia, com o ditador amigo do Ocidente desautorizado e atacado pelos seus aliados de ontem, faz com que os regimes repressivos ainda no poder só por desespero possam encarar embarcar num golpe de força como o tentado por Kadhafi. Uns por saberem que correm o risco de uma intervenção autorizada pelas Nações Unidas; outros porque prevêem que os seus patronos habituais, depois de terem decidido intervir na Líbia, não os autorizarão a recorrer abertamente aos grandes meios.

As perspectivas poderiam, portanto, ser piores. Mas isso não nos deve fazer esquecer que, no que de nós depende, nas regiões europeias, o grande passo em frente, tanto do nosso ponto de vista como numa perspectiva global, seria a emergência de um movimento de democratização efectiva capaz de se constituir como alternativa às relações de poder dominantes.

2 comentários:

LOUVA A GREVE PERMANENTE EM DEUS disse...

sem querer ser chato

liberdades de quê?

liberdades existem na mesa farta

numa síria ainda muito rural e tribalizada

e num iémene em situação pior em que o norte e o sul nunca se entenderam em 40 anos que viveram separados

que democracia nasce da fome

que liberdade nasce do fanatismo religioso

um homem bomba com 2 filhas desfaz um portão de um quartel em bengazhi

com o seu carro e torna-se um herói

é mais ou menos o nós que morremos saudamo-vos

ou os 47 ronin revisitados

demo cracia?

pluto cracia?

liber dadas?

LOUVA A GREVE PERMANENTE EM DEUS disse...

liberdades destas

estilo Belfast nos anos 80 a 90

podes ter a liberdade de circular se és católico

se és UDF circula de papo pró ar

se és etc....

liberdades destas são giras