09/03/11

Há quem ande à rasca com esta ideia de protestar sem o devido enquadramento

Por um lado, isto faz-me lembrar as tristes figuras em que alguns anciãos caem quando tentam imitar o comportamento, a roupa e o calão dos netos: soa sempre a postiço, a graxismo interesseiro. O ridículo é resultado garantido. Mas, por outro lado, este cartaz patético e mal-amanhado traz-me uma outra coisa à memória:

No céu cinzento
Sob o astro mudo
Batendo as asas
Pela noite calada
Vem em bandos
Com pés veludo
Chupar o sangue
Fresco da manada

Se alguém se engana
Com seu ar sisudo
E lhes franqueia
As portas à chegada
Eles comem tudo
Eles comem tudo
Eles comem tudo
E não deixam nada

A toda a parte
Chegam os vampiros
Poisam nos prédios
Poisam nas calçadas
Trazem no ventre
Despojos antigos
Mas nada os prende
Às vidas acabadas


18 comentários:

joão viegas disse...

ahahah !

Bom, uma coisa é certa, quem não anda à rasca nesta historia, são os vendedores de reclamo...

Estarmos (ou não) a falar de banha da cobra é questão relativamente secundaria, não é ? Porque, quando se trata de vender, até isso eles são capazes de comer !

Mas por amor da santa, não levem a mal o que eu digo, até porque a ultima das coisas que desejo, é parecer politicamente incorrecto !

VÍTOR DIAS disse...

Lamentável «post», Luís Rainha.

Qual é o espanto que o PCP, nos seus 90 anos, produza um cartaz que apela «à indignação e à luta pela mudança que o país precisa» e valorizando graficamente esta ideia enquanto até remete para rodapé a sua própria afirmação partidária.

Ainda por cima num cartaz que não se refere a nenhuma iniciativa próxima em concreto e quando se sabe que, além da de dia há a de dia 19.

Será que o Luís acha que é a primeira vez em que o PCP faz um cartaz onde entram jovens ? Se acha, está muito enganado.

Será que acha que o PCP descobriu agora os recibos verdes, os contratos a prazo e a precariedade?
Se acha, faça uma pesquisa no site do Parlamento e descobrirá que há décadas que o PCP fala, denuncia e apresenta propostas sobre esses problemas.

Luis Rainha disse...

Vítor,
Não me passa pela ideia negar que o PCP tem estado na vanguarda das lutas que agora são prementes. Mas também não vejo como é que se pode negar que estes cartazes/folhetos/Mupis/sei lá mais o quê são de um oportunismo atroz.
Não transmitem adesão mas sim uma tentativa de apropriamento de um certo "air du temps" de revolta juvenil; que, ainda por cima, acho que vai cair mal, de tão falso que soa.

Anónimo disse...

Absurdo, vergonhoso e preconceituoso,

Como se o PCP não tivesse a sua própria e natural actividade - assumidamente enquanto Partido

Como se fosse possível achar que essa actividade própria é algum tipo de resposta/aproveitamento em relação a qualquer outra iniciativa – seja ela uma luta sindical (como a de 19 de Março) ou outra qualquer.

Como se de repente, para uma certa camada que une gente aparentemente tão diferente, a ainda incógnita acção marcada para dia 12 fosse o céu na terra, a luta sem bandeiras, não organizada, verdadeiramente livre, livre dos comunistas entenda-se

Ela vai ser tão boa que vai ter desde o PCP ao BE (que publicamente já anunciaram ter aceite o convite que lhes foi dirigido pela organização), mas vai ter também a JSD! (que até vai ter uns panfletos feitos de propósito), para além de vários grupelhos fascistas…

Esta luta de novo tipo - sem comunistas entenda-se - é o sonho molhado que junta na cama tipos como este brilhante Luis Rainha às companhias pouco recomendáveis do PNR…

Luis Rainha disse...

E o seu sonho molhado era mesmo ter cérebro, não?
Portanto o seu argumento de peso em favor desta campanha miseranda é que a JSD vai fazer o mesmo..
Quanto à actividade do partido, já a reconheci e gabei, umas linhazitas atrás.

Carlos Vidal disse...

Foda-se, não tenho estudos para estes posts do pub LRainnhha.
Pagaste os direitos da letra que usas?
O PCP chupa o sangue da manada.
E então, não devia chupar, é isso?
E eu que penso que se deve chupar sempre o sangue da manada.
Bolas.
Vou estudar mais e mais.
Mas o sangue, o sangue é coisa boa.
Vai com Deus, pá.

scriabin disse...

Nunca tinha visto um megafone num cartaz do PCP, essa é que é essa. A vanguarda jovem do operariado e da intelectualidade já não tem pulmões como dantes. Incluindo a rapariga, que que me faz lembrar certo cartaz do Rodchenko, sem lhe chegar aos calcanhares.

Luis Rainha disse...

Carlos, escapou-te o decisivo detalhe que é o "fresco". Daí ser bom. E dar vontade de beber. Muito. Pois.

Anónimo disse...

Eu cá só gosto de pormenores
O MSP pede ao Vítor Dias (em comentário a outro post do Raínha) que controle o Vidal.
O Raínha vive da publicidade (com sonhos molhados)e nas horas livres denuncia a besta que serve.
O Vítor Dias é o Vítor Dias, tem a ingrata tarefa de pôr o 5 Dias e o Vias de Facto na ordem, esmerando-se delicadamente na argumentação, para levar uns deolindos ao jardim dele.
Entre tanto pormenor perdi-me, mas já agora deixem-me declarar o meu amor ao Vidal, ao Drácula e aos chupa-cabras.
Avanti, que isto anda tudo ligado.
PS. O Vidal é mesmo divertido. Bom arroz de cabidela assim encontrem o mênstruo.

Sofia Figueiredo disse...

Há pessoas sem sentido estético e que não percebem nada de cartazes. Como estudei artes gráficas e tenho trabalho na área, digo com confiança e verdade que este é um dos melhores cartazes que o PCP fez. É um cartaz de compreensão simplas e fácil e bastante apelativo à realidade que vivemos hoje.

Mas os jovens que lá aparecem, reflexo de mtos milhares mais, devem-lhe causar incómodos pois são activos, conscientes e que fazem bem mais pelo país do que umas caroladas na net. E por aqui me fico.

C. Vidal disse...

Atenção Anónimo das 23:43,
Estou absolutamente certo que o Vitor Dias não estabele nenhum paralelo entre o 5dias e o Vias de Facto. Lá tem imensos amigos e camaradas, aqui não tem nenhum.

Anónimo disse...

Anónimo das 23:43 e de outras horas
O Carlos Vidal tem humor e sabe ao que vai. Obrigado pela resposta.
Aqui a malta é anti-PCP. É o arco da esquerdalhada que deolinda por vários lados, da ACL ao MSP, à procura que ainda reparem neles.
Não me parece que vocês se possam entender. Ainda bem porque prezo a democracia que temos.
Isto de ter Deolindos, 5 Dias, Vias de Facto e Cavaco na mesma barca é falua de Belém?
Assim como assim antes prefiro o Passos Coelho.É uma imitação rasca de Sócrates, mas não será por causa dele que abandonaremos o regime democrático.
Avanti!

Miguel Serras Pereira disse...

Ao familiar compulsivo de tudo o que seja Santo Ofício chamado Carlos Vidal, tendo em atenção o resto da assembleia, respondo que não me passa pela cabeça que a ideia do Vítor Dias quando aqui aparece seja "pôr na ordem" ou "controlar" seja quem for. O VD terá, humanamente, como todos nós, as suas fraquezas, mas a estupidez não se conta entre elas.
Tdo o que fiz foi sublinhar que não me parece extremamente consequente discutir com o Zé Neves, o Luís Rainha e outros - desta casa ou não -, sem o fazer também com os que, reclamando-se do seu campo, exibem até à evidência posições que o VD castigaria noutros casos.
Kierkegaard, que era conservador mas não burro, entendia que era preciso começar por converter os cristãos ao espírito do cristianismo, que os cristãos que traíam esse espírito eram para ele a ameaça mais insidiosa. Mutatis mutandis, o VD que se esforça por mostrar que o seu comunismo e a democracia, não só não são incompatíveis, como se pressupõem, talvez devesse dedicar parte do seu ardor polémico a assinalar a enormidade que consiste em opor o comunismo à democracia - foi esta a opinião que enunciei e mantenho.

Quanto a chamar-me "pide", o CV ssabe perfeitamente que eu poderia apagar o seu comentário. Mas não fica aí - para que conste e, quanto mais, melhor.

msp

C. Vidal disse...

Vamos à do "pide".
Repito: "pide".
Ora, quem vai ao caixote do lixo do ciberespaço procurar textos ou posts que eu deitei fora para os publicar aqui, no seu blogue, é um "pide" de uma vulgaridade sem limite.

Niet disse...

Só agora dei com o atrevimento inadmissivel posto em marcha pelo delirante alainbadiousiano-funcionário-da-ESBAL, Carlos Vidal. Protesto veementemente contra a linguagem empregue por C.V. contra Miguel Serras Pereira. Trata-se de um fantasmagórico " vómito " anti-intelectual trabalhado por aquilo que Castoriadis dissecou,o " Maquiavelismo-cinismo vulgar ", posto em movimento por Béria e Vichinsky às ordens de Estaline: A Força Bruta, justamente! Niet

Miguel Serras Pereira disse...

Métodos pidescos e, de resto, muito apreciados pelo fascismo salazarento, são os que usa quem insinua que as opiniões político-literárias dos outros são inspiradas pela ambição ou subserviência profissional. CF. caixa de comentários deste post do energúmeno: http://5dias.net/2011/03/09/miguel-sousa-tavares-lixo-e-lixo-e-o-costume-e-seguidamente-ignorem-a-existencia-da-personagem-definitivamente/

Traços pidescos são os apetites bufos (no duplo sentido da palavra) de quem incita ao ataque pessoal e à denúncia nas caixas de comentários da blogosfera. Exemplo:
Bolota says:
9 de Março de 2011 at 22:58
Carlos Vidal,

Parece-me que o dito cujo tem uma casa para os lados de Alvor…casa onde o mesmo fez algumas obras/pinturas, por ai, certo é que quem as executou, apesar da crise , teve vai e não vai em as abandonar tal o mau feitio deste intelectualoide de pacotilha.
Mas pior que um, são dois se contares com Isabel Stilwell .
Responder
Carlos Vidal says:
9 de Março de 2011 at 23:22
É bom que nos conte essas coisas, caro Bolota.
Nunca duvidei das “qualidades” humanas desta figura. (http://5dias.net/2011/03/09/miguel-sousa-tavares-lixo-e-lixo-e-o-costume-e-seguidamente-ignorem-a-existencia-da-personagem-definitivamente/)

Estilo pidesco é o dos palhaços de corte que, tentando adivinhar o que poderá fazer rir os chefes, equiparam o pensamento político do Manuel Villaverde Cabral e o de Gonçalves Cerejeira — e por aí fora.

Esperteza pidesca é acusar de plágio livros que não se leram (seja qual for a qualidade dos ditos) e recomendar outros que stalvez se tenham ouvido elogiar algures pelas "autoridades competentes" (como o CV faz ao dizer ao Ricardo Noronha que leia Pascoaes) pour épater le bourgeois.

Mas seria necessário um Bouvard et Pécuchet mais dilatado do que pode comportar a biblioteca do Pacheco Pereira para enumerar as vulgaridades pidescas da prolífica criatura.

Vamos a factos? A história do post está mal contada. O que se passou foi que comecei a escrever uma resposta a mais uma pirotecnia do bufo e que, no momento de a publicar, vi que o artefacto desaparecera. Do que dei fé - e outros confirmaram - forçando o seu autor a assumir o que escrevera minutos ou talvez pouco mais de uma hora antes e que, talvez para satisfazer o seu apetite censório pouco perspicaz, mas insaciável, resolvera eliminar.

msp

C. Vidal disse...

M SS P
Vasculhar dessa maneira a vida de outrém, está ao nível da doença grave. Não apenas mental.

Miguel Serras Pereira disse...

Vasculhar o quê, CV? O que você apregoa? Bom, talvez o melhor fosse, de facto, tapar os ouvidos e os olhos a tudo o que de perto ou longe tenha a ver com as suas intrigas e os seus tiques amaneirados de confidente de santos ofícios vários.
Vá chibar para outro lado.

msp