09/03/11

Pronto; está detectada a paternidade espiritual da coisa

Alguém devia ter explicado ao pessoal da Soeiro que aquilo dos Homens da Luta é a reinar. Mas o entusiasmo por terem visto malta revolucionária, jovem, firme e activista a ganhar o festival da canção foi demais. Não resistiram à tentação.

12 comentários:

Anónimo disse...

Luís Rainha:nem para provocador pareces ter jeito.

Luis Rainha disse...

Por acaso não. Chumbei no curso das Novas Oportunidades.

VÍTOR DIAS disse...

Esta visto, Luís, que você dá o sensacional passo que é passar do mau soneto (o post anterior) para a pior emenda (este).

Até parece esquecido que a 19 também há uma importante manifestação nacional da CGTP e que até é intergeracional (que o cartaz do PCP não refere)e que portanto, sem se apropriar de nada, este cartaz pode ser visto como uma contribuição para diversas mobilizações.

Com este post fico a suspeitar que o Luís deve achar que aqui o gato foi às filhoses (não tanto com os jovens que sobre isso já esxclareci)mas por causa do megafone (Ó Luís, você devia saber que esse aparelho é um clássico da propaganda).

Mas olhe que não faltam nos últimos anos materiais de propaganada da JCP com o elemento do megafone e que , em 2010, durante meses, no site do PCP era esse o símbolo que identificava uma rubrica sobre muitas e variadas acções e iniciativas.

Luis Rainha disse...

Vítor, eu sei que os tempos não andam muito para isso, mas um poucochinho de humor às vezes dá jeito...

VÍTOR DIAS disse...

Ah, pois, afinal era só humor.
Pena que certamente muitos leitores, ainda mais do que eu que, de vez em quando tenho a pretensão de fazer algum,não o tivessem percebido.

RedBloc disse...

Era só humor...

Miguel Serras Pereira disse...

Grande Camarada Luís,
não me canso de admirar e apregoar - por todo o Pombalinho e localidades adjacentes - a superiorida intelectual e política deste teu post e do anterior. Não é estranho, todavia, que aqueles que confundem a revolução - que, como diria o Zé Neves, só pode ser o autogoverno dos comuns, ou, como diria eu, o acesso da "multidão" à desmassificação e à autonomia (por definição governante) democrática - com o carnaval se arrepiem quando tu recorres ao vocabulário do carnaval para o mostrares como isso mesmo: descarga provisória de frustrações que não põe em causa coisa que conte.
A liberdade está a passar pelos teus posts - que é uma alegria. Não, evidentemente, uma chalaça vidalesca de esquadra ou sacristia (contanto que inquisitorial q.b.).
Abraço solidário

miguel (sp)

Miguel Serras Pereira disse...

Espero e quero crer que seja o apreço e alta estima em que, mais ou menos conscientemente, o Vítor Dias tem os tripulantes do Vias de Facto a explicação da vigilância crítica incansável com que persegue tudo o que lhe pareça da parte desta equipa o menor deslize.
Só estranho que noutros blogues que frequenta como comentador atento- e que por isso seja de crer que também estime deixe passar monstruosidades, atentados à ética do debate democrático, distribuição de cacetada arruaceira a esmo, etc., etc.
Com efeito e a título de exemplo, um epígono do Padre José Agostinho de Macedo e da sua Besta Esfolada, dá quotidianamente vazão á sua bílis num blogue que VD conhece bem e, ocasionalmente, não poupa sequer as caixas de comentários de posts de outras paragens - dos mais insignes, como os do Luís ou do Zé Neves, aos mais modestos, como são os deste seu (VD) leitor atento.
Hoje, por exemplo, podemos ler no 5dias:

"Carlos Vidal says:
8 de Março de 2011 at 23:00
De facto, só mesmo um pateta poderá ver numa única vírgula minha uma sugestão minimamente abonatória da democracia."

E, na caixa de comentários do anterior post do sempre penetrante Luís Rainha, o mesmo publicamente assumido "simpatizante" do PCP e do PCUS (palavras suas, de ontem ou anteontem) deleita-se com a ideia de "chupar o sangue da manada".
Não vou multiplicar os exemplos (elogios de Estaline, etc.), mas a interrogação fica: que levará o VD, tão pronto a zurzir a menor incorrecção (a seus olhos) do Zé Neves ou do Luís R, a tanta indiferença, senão complacência, perante as enormidades de um personagem como CV, que, não só contrariam o ideário de que VD se reclama (democracia, seriedade argumentativa, recusa do sectarismo e da palhaçada pseudo-radical), como lesam inevitavelmente a imagem do campo político que invocam - por sinal o mesmo do qual, por outras razões (é de supor), o VD se reclama? Será possível que um espírito tão atento como o do VD não veja que, se quer converter os democratas ao comunismo, terá de mostrar, primeiro, que o comunismo implica e desenvolve, extrai todas as consequências, da vontade de democracia - que a democracia é condição sine qua non e via necessária do socialismo em todas as suas fases ou estádios de desenvolvimento e, por maioria de razão, da sua fase superior?

Ou então… o quê, Vítor Dias?

Seu compenetrado leitor

msp

Anónimo disse...

Concordo contigo Luis, o cartaz tá muito Morangos com Açucar, parecem betinhos de Cascais a dar uma de comunas...tem produção a mais, está muito limpinho para Comuna. Assim não vão lá, faltam aquelas facadas no photophop e fotos manhosas. JBicho

C. Vidal disse...

Ao pide Serras Pereira, que clama para que Vitor Dias me ponha na ordem:
- disse e repito que a "democarcia" está à venda em saldo na rua dos Fanqueiros e nos melhores mercados de Bagdad. Esse produto, creio que nem eu nem o Vitor Dias estamos interessados em comprar, nem em saldo, nem com dinheiro por cima.
(E faço notar que este post é de LR; fora de MSP eu não participaria - precisamente porque não sou democrata.)

Anónimo disse...

Curte lá o meu sentido de humor:

O Miguel Serras Pereira é "amigo" de Israel.

Ai não! espera!! Não é brincadeira!!! O Miguel Serras Pereira define-se (mesmo!) como um amigo de Israel.

Miguel Serras Pereira disse...

Anónino das 13 e 47

Se é a isto que escrevi, confirmo e reitero, que chama ser amigo de Israel, tem razão.

"Contra a fascização e a discriminação em Israel e contra os "falsos amigos" de judeus e palestinianos; pela criação de condições que permitam que os israelitas, os palestinianos e os membros dos outros povos da região possam viver como cidadãos iguais em territórios partilhados ou vizinhos, o combate é o mesmo que contra os que localmente não só combatem todas as tentativas de democratização da ordem política europeia, como visam reformar autoritariamente os actuais regimes europeus. E deve ser travado em simultâneo, através da coerência das intervenções nas várias frentes".
(http://viasfacto.blogspot.com/2010/06/sobre-israelitas-palestinianos-extrema.html)

Mas incomoda-o assim tanto? Não quer explanar um pouco melhor as razões do seu mal-estar? Ou - caso não se sinta capaz de tanto - porque se obstina em não recorrer ao tratamento adequado?

msp