18/11/11

O sentido maternal das ministras [não sei se é disto que se fala quando se fala das vantagens do feminine touch na política]

"Façam sopa em casa", Ana Jorge, ministra da Saúde de José Sócrates
"As crianças devem voltar a comer fruta em estado natural", Assunção Cristas, ministra da Agricultura de Passos Coelho

Razão tem a Shakira: "The worst mistake of a woman is to go to the kitchen, because then she never gets out of there"

8 comentários:

rafael fortes disse...

Ora bolas, onde é que esá a referência às mulheres aqui? Ou parte logo do principio que cuidar das criançada é uma tarefa feminina. Rai's partam os lapsus lingus preconceituosos...

Anónimo disse...

é porque as mulheres são piores ao nível da espacialização e da tri-dimensionalização das coisas. por isso é que depois da entrarem na cozinha já não conseguem encontrar o caminho de volta para sairem. acontece o mesmo nos estacionamentos, é sabido.

joão viegas disse...

Assunto delicado, este...

Noto que nenhuma das ministras se dirigiu às mulheres em particular, mas provavelmente teria sido melhor elas (ministras) frisarem que a mensagem não se dirige, ou pelo menos não deve dirigir-se principalmente a elas (mulheres).

Melhor, digo eu, do que desistir de transmitir a mensagem em nome de libertar as mulheres da cozinha...

Isto porque aquilo que ambas as ministras dizem, e aqui discordo da Ana Cristina, NAO me parece ter sido principalmente, ou mesmo parcialmente, inspirado pelo instinto maternal, ou por nada com ele relacionado.

Enfim, comam sopas e, se necessario, aprendam como fazê-las, que sera porventura mais um elemento dissuasor para deixarem de ir ao fast food, ou à tasca onde a cozinha esta, de facto, ocupada em condições mais igualitarias, havendo quase tantos homens como mulheres, todos eles paquistaneses(*)...

Abraço bem forte aqui do meu instinto maternal, que também o tenho, ora bolas !

(*) Bom esta ultima boca talvez seja valida onde eu moro e não deva ser generalizada...

Ana Cristina Leonardo disse...

rafael, não é lapsus lingus, é experiência mesmo

anónimo, uma das minhas primas teve 20 a geometria descritiva; lá se vai a sua teoria

João, elas não se dirigem às mulheres; elas são mulheres! E olhe que a Dona Maria, que Deus a tenha muitos anos à minha espera, também era muito poupadinha e imaginativa na cozinha...
Com um abraço forte, maternal e paternal também.

Anónimo disse...

ana cristina, a sua lógica é imbatível. se por lógica se entender demagogia e por imbatível, alarmante.

Ana Cristina Leonardo disse...

anónimo, a lógica é sempre imbatível, a não ser que se esteja a falar de outra coisa. quanto ao resto, não se alarme que não vale a pena.

rafael fortes disse...

ò Ana, a minha experiência vai em sentido completamente oposto...

Pedro Bergano disse...

é tudo emntira, pá! Mas alguém acredita que essas madames põem o pézinho na cozinha? As empregadas domésticas cabo-verdianas servem pra quê?